Esther Rebollo. Bogotá, 26 out (EFE) - A França será o primeiro país a abrigar um desertor das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), depois que o guerrilheiro conhecido como Isaza ajudou hoje o ex-congressista colombiano Óscar Tulio Lizcano a voltar à liberdade após mais de oito anos em poder da guerrilha. Lizcano e seu guarda durante os últimos meses nas selvas do noroeste da Colômbia fugiram há três dias, e, após uma penosa e longa caminhada em péssimas condições de saúde, chegaram hoje a um posto do Exército. Trata-se de uma das libertações mais incomuns da história do conflito colombiano, pois o ex-congressista era o político que estava há mais tempo em poder da guerrilha e também porque teve sua libertação facilitada por um de seus seqüestradores em uma ação sem precedentes. Em Cali, o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, se apresentou à imprensa com Isaza após tê-lo submetido a um interrogatório que foi divulgado em um vídeo e comparar suas declarações com as do próprio Lizcano. Chegamos à conclusão de que o guerrilheiro tinha tomado a decisão de abandonar a guerrilha e trazer consigo o seqüestrado, destacou Uribe, ao esclarecer que, há meses, o Governo ofereceu liberdade para que possam viver no exterior e recompensas a aqueles que desertarem o grupo e trouxerem os seqüestrados. Vamos aplicar essa decisão no caso de Isaza e do doutor Lizcano. Falei com o Governo da França, através de seu embaixador, e ele nos informou qu...

Lizcano também enviou uma mensagem de encorajamento aos reféns que ainda permanecem em poder das Farc.

"Ânimo, pois se eu fiz esse esforço tão grande, por Deus terão forças. Eu ia para nove anos (de cativeiro) e eu sei que eles vão sair e vão desfrutar a liberdade", disse.

O desfecho deste seqüestro também foi explicado por Santos, que deixou claro que a pressão das tropas na região do departamento de Chocó, onde sabiam que o ex-refém estava há vários meses, obrigou Isaza a tomar a decisão de escapar junto com Lizcano.

"Estão muito desmoralizados, mortos de fome e o que vemos é que vão escapar em fuga precipitada. Isso os diminuirá muitíssimo porque o moral deles está pelo chão, e este golpe acaba de afundá-los", acrescentou Santos ao se referir ao suposto enfraquecimento das Farc.

Lizcano, ex-congressista do Partido Conservador, foi seqüestrado em 5 de agosto de 2000 no departamento de Caldas.

Segundo o Governo, as Farc mantêm em seu poder 700 reféns, entre eles 28 políticos, militares e policiais considerados passíveis de troca por guerrilheiros presos. EFE erm/wr/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.