Um fotógrafo iraquiano da agência de notícias Reuters foi detido na manhã de terça-feira ao sul de Bagdá pelas forças iraquianas e americanas, e continuava preso nesta quarta-feira, informaram à AFP a Reuters e o Exército dos Estados Unidos.

Ibrahim Jassam Mohammed, um fotógrafo e cinegrafista iraquiano que trabalha há dois anos pela Reuters, "foi detido terça-feira de manhã cedo em sua casa de Mahmudiya", 40 km ao sul de Bagdá, "durante uma operação das forças americanas e iraquianas", indicou a Reuters à AFP, citando a família do fotógrafo.

As forças americanas e iraquianas também apreenderam material fotográfico, segundo a irmã de Jassam, citada pela Reuters.

"Preocupado" com a detenção do fotógrafo free-lancer, David Schlesinger, um dos redatores-chefes da agência britânica, pediu ao Exército americano que finalize sua investigação preliminar e decida rapidamente se indicia ou liberta Jassam.

O Exército americano confirmou a detenção do jornalista. "Ele foi detido porque é considerado uma ameaça à segurança do Iraque e das forças da coalizão", declarou à AFP o tenente Patrick Evans, um porta-voz militar.

A organização de defesa da liberdade da imprensa Repórteres Sem Fronteiras (RSF), que anunciou a detenção de Jassam, pediu sua "libertação imediata".

"Mais de 20 profissionais da imprensa foram detidos em circunstâncias semelhantes pelas forças iraquianas e americanas no Iraque desde o dia 1 de janeiro de 2008. Todos eles foram libertados depois de passar vários dias, ou até vários meses, na prisão, sem qualquer acusação formal", lamentou a RSF, qualificando de "incompreensível" a "falta de discernimento das autoridades".

"O fato de possuir uma máquina fotográfica ou uma câmera parece ser considerada como a prova do envolvimento de alguns jornalistas com organizações terroristas", disse a organização, destacando que Jassam já recebeu várias ameaças de morte anônimas.

emd/yw

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.