Fóssil de pelve revela que Homo Erectus era mais robusto

O fóssil da bacia de uma fêmea de 1,2 milhão de anos descoberto na Etiópia revela que o Homo Erectus era mais robusto e capaz de gerar crianças com cérebros maiores do que se pensava até o momento, destaca um estudo publicado nesta quinta-feira.

AFP |

Esta é a primeira pelve feminina intata deste período já descoberta e sua análise proporciona valiosas indicações sobre como se desenvolveram os primeiros homens, destacam os pesquisadores na revista Science.

A forma da pelve descoberta em 2001, na região de Afar, na Etiópia, parece indicar que esta fêmea de Homo Erectus poderia dar à luz um bebê com cérebro maior.

"Tudo o que tínhamos até agora como fóssil de pelve era Lucy (de 3,2 milhões de anos e também descoberta na Etiópia), e que era muito mais arcaica que os humanos modernos", explica Sileshi Semaw, da Universidade de Indiana, em Bloomington.

"Esta descoberta nos dá informações mais precisas sobre a pelve do Homo Erectus e sobre o tamanho de seus recém-nascidos".

Semaw e sua equipe reconstruíram a bacia reunindo fragmentos de ossos e estabeleceram que era 30% maior do que o estimado, a partir da pelve de uma jovem encontrada no Quênia e datada de 1,5 milhão de anos.

mso/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG