Fortes chuvas matam 42 pessoas no estado do Rio

Rio de Janeiro, 1 jan (EFE).- A ressaca da festa de ano novo no Brasil foi marcada pelas pelo menos 42 mortes em consequência dos deslizamentos de terras provocados pelas fortes chuvas nos últimos dois dias no estado do Rio de Janeiro.

EFE |

O pior acidente foi registrado na Ilha Grande, em Angra dos Reis, a cerca de 150 quilômetros do Rio de Janeiro. Fontes oficiais confirmaram um número provisório de 15 mortos por conta de um desmoronamento que atingiu a Pousada Sankai, um pequeno hotel de luxo no norte da ilha, onde o acesso só é possível pelo mar.

"As buscas continuarão e não vão parar. Estamos trazendo geradores de energia e maquinaria do Rio", anunciou o secretário estadual de Saúde e Defesa Civil, Sergio Cortes, em entrevista à imprensa.

O vice-governador do estado, Luiz Fernando Pezão, também visitou a zona, e logo depois falou à imprensa, qualificando a situação como "muito triste".

Pezão, quem disse que recebeu uma ligação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, destacou, no entanto, que o hotel não foi totalmente destruído, por isso tem esperanças de encontrar hóspedes com vida.

Além disso, afirmou que a zona afetada pelo deslizamento não era considerada de risco já que "a vegetação da região é nativa e não há sinais de desmatamento".

"As pedras e os galhos são muito grandes, por isso é um quadro difícil", disse Pezão, que destacou que as autoridades esperam conseguir levar à ilha maquinaria pesada e geradores de energia, para poder trabalhar durante a noite.

Os canais de televisão mostraram imagens aéreas do lugar, uma pequena praia rodeada de colinas onde se pode ser visto o rio de barro que acabou com pelo menos outras três casas, além do hotel.

O subsecretário estadual de Defesa Civil, Pedro Machado, confirmou à imprensa que dez dos corpos foram achados sob os escombros e o barro, e cinco no mar.

No lugar, junto a vizinhos voluntários, trabalham cerca de cem pessoas, entre membros dos bombeiros, da Marinha e da Polícia Militar do estado, que deslocou helicópteros para o local.

Como a pousada estava cheia pelas festividades de fim de ano, acredita-se que poderia haver cerca de 50 pessoas hospedadas. Por isso as autoridades temem que o número de mortos possa chegar a aproximadamente 40.

Na parte continental de Angra dos Reis, outro deslizamento de terras matou cinco pessoas, entre elas uma menina de três anos que perdeu a vida em um hospital após ter sido resgatada do barro na quarta-feira, quando começaram as fortes chuvas.

Desde então, as águas tiraram a vida de 11 pessoas na capital do estado, duas em Niterói e outras sete em outras cidades do estado, completando o saldo provisório de 42 mortes. EFE az/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG