Por Antonio de la Jara SANTIAGO (Reuters) - Um dos terremotos mais poderosos da história sacudiu o Chile nesta madrugada, provocando ao menos 78 mortes, um tsunami e desmoronamento de residências em várias cidades, o que levou o governo a declarar parte do país zona de catástrofe.

O terremoto, que teve magnitude 8,8 segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos e epicentro no sul do país, tremeu a capital Santiago, onde arrancou varandas de edifícios, derrubou pontes, deixou fábricas em chamas e a eletricidade e o sistema telefônico fora de serviço.

O abalo sísmico custou a vida de pelo menos 76 pessoas, disse o subsecretário do Interior chileno, Patricio Rosende, e provocou um tsunami que arrasou metade de um povoado na ilha chilena de Juan Fernández, segundo a presidente Michelle Bachelet. As ondas gigantes atingiram costas continentais em Iloca, onde não havia registro imediato de vítimas.

"Há uma enorme quantidade de dano que não sabemos a exata dimensão, que está sendo avaliado", disse a jornalistas Bachelet e declarou as regiões de Maule, de onde era a metade dos falecidos, e Bio Bio como zonas de desastre.

O movimento sísmico, muito mais poderoso que o mortífero terremoto que devastou o Haiti recentemente, também causou pânico no popular balneário de Viña del Mar.

Enquanto amanhecia, policiais e bombeiros percorriam as ruas em distintas cidades do país para verificar a magnitude dos danos e socorrer vítimas.

Depois de sofrer várias réplicas, a maior delas de magnitude 6,9, os aeroportos na capital foram fechados e rádios locais reportavam que ao menos três hospitais haviam sido abalados.

Apesar de o sismo ter tido epicentro no sul chileno, perto da localidade de Maule, 321 quilômetros a sudoeste de Santiago e a 104 quilômetros de Talca, também foi sentido na vizinha Argentina.

(Reportagem adicional de Ricardo Figueroa, Alejandro Lifschitz, Rodrigo Martínez, Ignacio Badal e Marion Giraldo, em Santiago, de Alonso Soto e Jorge Otaola, em Buenos Aires, de Patricia Avila e Conrado Hornos, em Montevidéu, e de Todd Benson e Terry Wade, em São Paulo)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.