Forças russas e georgianas trocam prisioneiros

Por Margarita Antidze IGOETI, Geórgia (Reuters) - Forças russas e georgianas trocaram prisioneiros na terça-feira em uma rodovia do centro da Geórgia, em um gesto de boa-vontade apesar da tensão devido à prometida desocupação russa.

Reuters |

A troca levou 15 minutos e aconteceu na região de Igoeti, 45 quilômetros a oeste de Tbilisi, onde tanques e blindados russos estão entrincheirados numa encosta, enquanto a polícia georgiana faz uma blitz rodoviária.

A Rússia continua ocupando posições dentro da Geórgia, apesar de Moscou ter prometido que na segunda-feira iniciaria a retirada. Os russos invadiram o país vizinho depois de expulsarem as tropas georgianas da região separatista da Ossétia do Sul, que desde a década de 1990 goza de autonomia sob proteção de Moscou.

Para a troca de prisioneiros, dois helicópteros russos pousaram nos arredores, e a Reuters viu vários homens fardados e desarmados sendo escoltados em fila única por soldados russos até o meio da estrada.

No lado russo, o jornalista da Reuters viu pelo menos um piloto russo -- abatido durante bombardeios -- sendo levado de maca.

A Geórgia disse ter trocado cinco russos por 15 georgianos, sendo dois civis. Houve apertos de mãos e a assinatura de um protocolo sobre uma mesa colocada no meio da pista.

'O processo transcorreu normalmente, foi mediado pelo embaixador francês', disse Kakha Lomaia, secretário do Conselho Georgiano de Segurança Nacional, acrescentando que Tbilisi ainda mantém em seu poder dois militares russos capturados durante a luta pelo controle de Tskhinvali, capital da Ossétia do Sul.

O general Vyacheslav Borisov, comandante russo na região, disse que 'tudo transcorreu segundo o combinado'.

'Concordamos com futuras trocas se houver outros prisioneiros', disse.

A Geórgia diz que cerca de 200 cidadãos seus -- sem incluir sul-ossétios -- morreram durante a breve guerra deste mês. A Rússia diz que houve 1.600 mortos, principalmente civis. As cifras são impossíveis de verificar de forma independente.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG