Por Ibrahim Shinwari PESHAWAR, Paquistão (Reuters) - As forças do governo paquistanês mataram 52 militantes islâmicos nesta sexta-feira, no sul da região de Khyber, onde há uma rota vital de suprimento para as forças ocidentais no Afeganistão.

Militantes aumentaram os ataques em estradas do Afeganistão desde o ano passado, expondo a vulnerabilidade das rotas de suprimento ocidentais, num momento em que os Estados Unidos planejam aumentar o número de tropas para conter o Taliban.

Helicópteros do Exército atiraram contra os militantes perto da fronteira com as regiões de Khyber e Orakzai, disse Tariq Hayat, importante autoridade de Khyber.

"Cinquenta e dois militantes foram mortos. Uma grande quantidade de munição e oito veículos foram destruídos", disse Hayat à Reuters.

"A maior parte das mortes ocorreu por causa da destruição da munição, o que provocou uma série de explosões", disse.

Não houve verificação independente do número de mortos. Segundo Hayat, as mortes foram causadas pelos pilotos de helicópteros e pela patrulha aérea.

A segurança diminuiu no nordeste do Paquistão, perto da fronteira com o Afeganistão, desde o ano passado.

Antes disso, um carro-bomba explodiu, ferindo sete pessoas, ao ser parado num posto de controle em uma ponte no caminho de Khyber.

A explosão danificou a ponte e um caminhão que esperava para atravessá-la, mas a autoridade administrativa Fida Bangash suspeita que o responsável pelo ataque se dirigia a uma ponte maior, destruída em uma explosão na terça-feira e que estava sendo reparada por soldados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.