Forças do Irã chocam-se com seguidores de clérigo morto--sites

TEERÃ (Reuters) - Armadas com cassetetes e gás lacrimogêneo, as forças de segurança do Irã entraram em confronto com simpatizantes do falecido clérigo dissidente grand aiatolá Hossein Ali Montazeri em duas cidades nesta quarta-feira, informaram sites da oposição. Uma notícia disse que foram usados gás lacrimogêneo e gás pimenta contra as pessoas reunidas para uma cerimônia em memória a Montazeri planejada para ocorrer na mesquita da cidade de Isfahan, enquanto outra informou que havia mulheres e crianças entre as pessoas agredidas.

Reuters |

Alguns simpatizantes de oposição ficaram feridos e dezenas foram presos, de acordo com sites reformistas, cujas reportagens não puderam ser verificadas por fontes independentes. As autoridades ainda não haviam comentado as notícias.

Se confirmadas, elas salientarão ainda mais a escalada das tensões num dos principais países produtores de petróleo, seis meses depois de uma eleição presidencial contestada lançar a República Islâmica na mais profunda crise interna desde sua fundação, há três décadas.

O chefe de polícia Esmail Ahmadi-Moqadam advertiu a oposição pró-reforma sobre um confronto "feroz", caso ela prossiga com suas atividades "ilegais", disse a agência de notícias semioficial Fars.

O ex-presidente reformista Mohammad Khatami condenou a violência em Isfahan, disse o site reformista Parlemannews.

"O imã Khomeini (líder revolucionário do Irã) acreditava que a República Islâmica baseava-se em dois pilares -- liberdade e independência. Se esses pilares forem abalados...teremos tirania novamente", afirmou Khatami.

"Chamar qualquer pessoa que levante sua voz de traidor, apesar de sua crença no sistema (islâmico), é um desvio importante e deve ser corrigido", disse Khatami.

O site Jarás afirmou que muitos manifestantes ficaram feridos durante os confrontos em Isfahan, ocorridos durante o tradicional terceiro dia de luto em memória a Montazeri, que morreu na noite de sábado aos 87 anos na cidade de Qom, sagrada para os muçulmanos xiitas.

(Reportagem de Parisa Hafezi e Fredrik Dahl)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG