Forças da Otan evitam ataque a petroleiro norueguês

Por Alison Bevege NAIRÓBI (Reuters) - Um navio de guerra português tomou brevemente 19 piratas armados com explosivos depois de evitar um ataque a um petroleiro norueguês no Golfo de Aden, afirmou a Otan neste sábado, enquanto piratas somali afirmaram terem sequestrado um navio ucraniano.

Reuters |

O tenente comandante da Otan Alexandre Fernandes afirmou que o petroleiro norueguês MV Kition solicitou ajuda por rádio na tarde de sexta-feira depois que um esquife cheio de piratas armados com rifles e granadas se aproximou.

"Éramos o navio de combate mais próximo, assim imediatamente enviamos nosso helicóptero", afirmou Fernandes a bordo do Corte-Real, que estava a cerca de 37 quilômetros ao norte do MV Kition quando foi feito o pedido.

O helicóptero localizou o esquife e começou a perseguir os piratas que se retiravam para sua embarcação principal, um navio levando 19 piratas fortemente armados, que depois foi interceptada após uma perseguição em alta velocidade por uma fragata da escolta portuguesa.

Então oito fuzileiros conseguiram subir a bordo do navio.

"Eles se renderam imediatamente", afirmou Fernandes, acrescentando que não houve feridos e que os piratas não atiraram no navio mercante com bandeira das Bahamas, no helicóptero nem nos fuzileiros.

Piratas somalis fortemente armados ampliaram os ataques a navios no oceano Índico e no Golfo de Aden, capturando dezenas de embarcações, sequestrando centenas de reféns e pedindo milhões de dólares em resgates.

Neste sábado piratas afirmaram terem tomado um navio ucraniano carregando veículos da Organização das Nações Unidas (ONU) em águas no oceano Índico, e que o navio seguia em direção à cidade costeira de Haradheere.

"Sequestramos um navio carregando equipamentos industriais, incluindo carros brancos com o logotipo da ONU, nossos amigos estão a bordo", disse um pirata, que afirmou se chamar Hussein, à Reuters por telefone da cidade de Haradheere.

Representantes marítimos e da ONU não estavam imediatamente disponíveis para confirmar a notícia.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG