Por Dmitry Solovyov ZHUKOVSKY, Rússia (Reuters) - A Rússia deve fazer a maior reestruturação da aviação militar de sua história pós-União Soviética, anunciou o comandante da Força Aérea nesta quinta-feira. Ele admitiu, entretanto, que a modernização prevista ainda está muito distante da era soviética.

A enferrujada maquinaria militar russa contrasta com o desejo do Kremlin de ser mais assertivo nos assuntos mundiais. Analistas afirmam que boa parte do potencial tecnológico do país foi perdida em meio à agitação que se seguiu ao fim da União Soviética, em 1991.

O primeiro-ministro Vladimir Putin supervisionou a assinatura de um acordo de 2,5 bilhões de dólares nesta semana para a fabricante de aviões Sukhoi, controlada pelo Estado, abastecer a Força Aérea com 64 novos caças.

"Para a Força Aérea, este é um dos maiores pedidos que precisamos atender até 2015," disse o comandante da Força Aérea russa, Alexander Zelin, em uma entrevista coletiva durante a feira aeroespacial MAKS-2009, nos arredores de Moscou.

"Acredito que este seja um grande avanço na história recente da Rússia."

Zelin afirmou que a Força Aérea receberá nos próximos cinco anos o novo helicóptero Mi-28NM, apelidado de "Caçador Noturno," o helicóptero de combate Ka-52, conhecido como "Alligator," e o moderno caça-bombardeiro Su-34.

Algumas dessas aeronaves ingressaram nas forças armadas nos anos recentes, apesar do fato de todas terem sido projetadas e terem feito seu vôo de estreia na era soviética.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.