Pesquisadores alemães desenvolveram a teoria de que a fofoca positiva ajudou o ser humano a evoluir na direção de adquirir altos níveis de cooperação. Ao ajudar os indivíduos a construir sua própria reputação fora do ambiente familiar, rumores positivos os ajudaram a conquistar a confiança alheia - um aspecto fundamental para cimentar as relações sociais e, portanto, o progresso econômico, eles indicaram.

A equipe do Instituto Max Plank de Biologia Evolutiva, na Alemanha, conduziu experimentos práticos com 132 estudantes.

A pesquisa foi feita através de um jogo em que participantes recebiam somas imaginárias de dinheiro e concordavam em doá-lo ou não a outros participantes com base em comentários recebidos por terceiros.

Após 17 rodadas de simulações em que os estudantes enfrentavam diferentes situações, os cientistas perceberam que o grau de cooperação variava à mesma proporção das boas impressões recebidas a boca miúda.

Em um artigo na edição da revista científica Proceedings of the Royal Society, Biological Sciences que circula a partir desta quarta-feira, eles escreveram que "a fofoca pode servir como substituto para a observação direta".

"Reciprocidade, confiança e reputações transferidas via fofoca estão diretamente relacionadas. Esta interrelação pode ter ajudado a alcançar os altos níveis de cooperação que podem ser observados em humanos", afirmaram.

"Diversos exemplos de fofoca passam uma impressão melhor do real comportamento de uma pessoa e, portanto, a fofoca ruim ou falsa tem pouco poder enquanto se restringir a uma minoria."
O estudo ressalvou, entretanto, que a pesquisa reproduziu "um mundo benigno, sem incentivos para que os autores da fofoca sejam desonestos".

"Aparentemente, o mundo real é diferente, e precisamos de futuras pesquisas para investigar o poder da fofoca em situações nas quais os desonestos tirem proveito da mentira."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.