FMI pede medidas mais agressivas contra crise

Os governos precisam adotar medidas mais agressivas e coordenadas para combater a crise econômica mundial, disse nesta quinta-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em um relatório elaborado para um encontro preparatório para a reunião do G20, programada para abril, em Londres, o FMI disse que é necessária ação em duas frentes: para restaurar a saúde dos setores financeiros e para impulsionar a demanda e sustentar uma recuperação duradoura da atividade global.

BBC Brasil |

Segundo o Fundo, as medidas "devem ser amplas e coordenadas internacionalmente". O relatório afirma que as medidas já adotadas para solucionar a crise financeira têm sido amplas, mas ainda não conseguiram avanços significativos.

O documento diz ainda que políticas imediatas e de curto prazo devem ser compatíveis com a visão de longo prazo para a estruturação de um sistema financeiro viável e com a sustentabilidade fiscal no médio prazo.

"Se a saúde do setor financeiro não for restaurada, uma recuperação duradoura não será possível", diz o documento.

O FMI afirma ainda que a cooperação internacional em relação a um grupo de políticas financeiras deve ter alta prioridade e que políticas macroeconômicas de estímulo serão cruciais para sustentar a demanda enquanto as questões financeiras são abordadas, e para "evitar uma longa e profunda recessão".

No relatório, o FMI lembrou que sua previsão de janeiro indica crescimento mundial de 0,5% em 2009 e uma recuperação gradual em 2010, com crescimento em torno de 3%.

No entanto, o Fundo alerta que a previsão é "incerta" e que uma virada depende de uma abordagem mais eficaz dos problemas financeiros e de fortes políticas de apoio à demanda.

O documento afirma que a crise financeira se espalhou abruptamente sobre os mercados emergentes, nos quais "a situação permanece frágil".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG