Finul nega favorecer Israel no conflito do país com Hisbolá no Líbano

Beirute, 5 ago (EFE) - A Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Finul) negou hoje que atue em favor de Israel no conflito entre esse país e o grupo xiita libanês Hisbolá, que acusou a organização em mais de uma vez de ser imparcial em sua missão de paz. A última acusação deste tipo veio hoje do jornal Al-Akhbar, próximo do Hisbolá, segundo o qual a Finul cedeu aos pedidos de Israel para que proteja seus pilotos e que estes não sejam seqüestrados por milicianos xiitas. Segundo o jornal, que cita fontes diplomáticas da ONU, Israel enviou uma carta à organização e a cada um dos 30 países que integram a Finul na qual pedia que as forças internacionais impedissem a captura de membros do Exército israelense pelo grupo Hisbolá. Nesta carta, Israel também expressava seu temor de que o Hisbolá estivesse se dotando com armas capazes de derrubar seus aviões e, assim, poder capturar os pilotos israelenses, segundo Al-Akhbar. A publicação afirma que o comandante da Finul, o general Claudio Graziano, ordenou a suas tropas no último dia 31 de julho que, caso um avião israelense fosse abatido, resgatem e salvem o piloto e que até tentem libertá-lo se este for seqüestrado. A Finul desmentiu hoje categoricamente estas acusações em comunicado, no qual afirma que ditas alegações são sem fundamento e que suas atividades estão definidas na resolução 1.701 e realizadas em cooperação e coordenação estreita com o Exército libanês.

EFE |

A resolução 1.701 do Conselho de Segurança da ONU pôs fim à guerra em 2006 entre Israel e Hisbolá, e estabelece que qualquer pessoa detida ou armamento expropriado pela Finul devem ser entregues ao Exército libanês.

A Finul está no Líbano desde 1978 para supervisionar o conflito entre este país e Israel, e seu último mandato foi estabelecido pela ONU após o conflito de 2006 com o objetivo de pacificar a fronteira entre ambos os países.

A captura de dois soldados israelenses por milicianos do Hisbolá desencadeou a ofensiva israelense contra o grupo, em julho de 2006.

EFE ks/rb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG