Fim de protestos libera estradas na Argentina

Ruralistas argentinos começaram neste sábado a liberar as estradas do país, após cumprir sua promessa de manter os bloqueios rodoviários até a última hora da sexta-feira. O fim - pelo menos temporário - de uma disputa de 101 dias entre as entidades de produtores e o governo da presidente Cristina Kirchner está levando à uma normalização da situação no país.

BBC Brasil |

Pela primeira vez em três meses, os alimentos reaparecem nas gôndolas dos supermercados argentinos e as exportações alcançam os portos.

Os protestos foram uma resposta de entidades do setor rural a uma medida oficial que elevou os impostos às exportações de grãos - como a soja, da qual a Argentina é um dos maiores produtores mundiais.

A medida foi adotada em março e continua em vigor, mas será agora debatida pelo Congresso.

O correspondente da BBC em Buenos Aires David Schweimler contou que, em determinado momento, mais de 300 bloqueios estavam sendo realizados simultaneamente no país.

Os protestos tornaram impossível viajar pela Argentina - prejudicando a indústria do turismo - e a falta de matéria-prima causou danos ao setor produtivo, disse o correspondente.

Segundo o repórter da BBC, as entidades ainda consideram retomar as manifestações se não houver progresso no debate parlamentar.

De acordo com o governo de Cristina Kirchner, a elevação dos impostos havia sido decidida com a finalidade de desestimular as exportações de alimentos, aumento a oferta interna.

Na visão do governo, esta seria uma maneira de combater a inflação e a pobreza.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG