O líder opositor Viktor Yanukovich venceu as eleições presidenciais da Ucrânia com uma vantagem de 3,48 pontos sobre a primeira-ministra Yulia Timoshenko, segundo dados anunciados nesta quarta-feira pela Comissão Eleitoral Central (CEC).

Terminada a apuração, Yanukovich obteve 48,95% dos votos, enquanto Timoshenko, 45,47%, informou a CEC.

Resultado será contestado

A coalizão da primeira-ministra da Ucrânia, Yulia Timoshenko, anunciou na terça-feira que vai à Justiça impugnar os resultados do segundo turno das eleições presidenciais, vencidas pelo opositor Viktor Yanukovich.

Os representantes de seu partido denunciaram "grandes fraudes" na votação de domingo e afirmaram que recorreriam perante os tribunais os resultados nos colégios da região de Donetsk, reduto de Yanukovich.


Timoshenko anuncia que não vai aceitar resultado da eleição / AP

O coordenador das missões de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), João Soares, afirmou que a votação tinha sido "um exemplo eloquente de eleições democráticas".

Os observadores da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) pediram à candidata derrotada que reconheça os resultados da votação.

Europa x Rússia

Como é habitual, o país se dividiu em dois entre as regiões orientais, de maior influência russa, que respaldaram abertamente Yanukovich, e as ocidentais, que apoiaram Timoshenko.

Nas regiões industriais orientais de Donetsk e Lugansk, o opositor recebeu em torno de 90% dos votos. Por outro lado, a primeira-ministra superou 80% em quatro regiões ocidentais limítrofes com a União Europeia (UE).

A maioria da população de origem russa, mais de 8 milhões, apoiou Yanukovich, que defende o reforço das relações com o Kremlin e a língua russa como idioma oficial da Ucrânia.

Yanukovich defende tanto a aproximação com a UE quanto a assinatura de um tratado de livre comércio com os 27 países-membros do bloco, mas se opõe à entrada do país na Otan.

* Com EFE e Reuters

Leia mais sobre Ucrânia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.