Filipinos se despedem da ex-presidente Corazón Aquino

Por Manny Mogato MANILA (Reuters) - Sob forte chuva, dezenas de milhares de pessoas acompanharam nesta quarta-feira o funeral da ex-presidente Corazón Aquino, heroína do movimento democrático de 1986, que morreu na semana passada, vítima de câncer.

Reuters |

Canções e orações homenagearam-na em uma missão com a participação de mais de mil autoridades, diplomatas, empresários, líderes da sociedade civil e religiosos, na quatrocentenária catedral de Manila.

O líder timorense José Ramos-Horta prestou suas homenagens antes da missa, enquanto a atual presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, foi direto para a catedral depois de desembarcar no aeroporto proveniente dos EUA.

Em frente à igreja, uma multidão de ricos e pobres, jovens e velhos, a grande maioria usando camisas amarelas, assistia à cerimônia por dois telões.

Amarelo é a cor associada a Aquino e à sua revolução pacífica e popular de 1986. Muitos veículos nas ruas, dos mais modestos aos mais modernos, prenderam fitas amarelas às portas ou espelhos retrovisores.

A polícia estima que até 10 mil pessoas tenham se reunido em frente à catedral, e dezenas de milhares são esperadas perto de um parque público e em outros pontos por onde o cortejo fúnebre deve passar.

Muitos dos participantes são jovens demais para terem acompanhado a revolução que deixou Aquino famosa.

"Só conhecia Cory das minhas aulas de história na escola e pelos meus pais, que estavam na revolução. Vim aqui demonstrar minha gratidão a ela", disse à Reuters Andrea Corpuz, que estava em frente à catedral com um grupo de amigos.

Aquino será enterrada ao lado do marido, Benigno, cujo assassinato, em 1983, a transformou em uma liderança nacional. Três anos depois, mais de 1 milhão de pessoas saíram às ruas para apoiar as tropas pró-Aquino, que se rebelavam contra a ditadura de Ferdinand Marcos.

Marcos, a esposa Imelda e os filhos fugiram para o exterior, e Aquino ficou na presidência até 1992.

Na terça-feira, Ferdinand Jr. e Imee, filhos do falecido Marcos, compareceram ao velório. Imelda também lamentou a morte de Aquino.

De todo o mundo chegaram mensagens de condolências, inclusive dos presidentes Barack Obama (EUA) e Hu Jintao (China), além do papa Bento 16.

O governo decretou dez dias de luto nacional, os mercados financeiros fecharam, e foi declarado feriado na quarta-feira para que a população homenageie a ex-presidente.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG