Filho de Evo Morales vai à TV pedir casa ao presidente boliviano

Na reta final da campanha eleitoral para as eleições presidenciais deste domingo, as declarações do filho do presidente da Bolívia, Evo Morales, Álvaro (Alvarito), de 14 anos, pedindo, às lagrimas, uma casa ao pai num programa de televisão, geraram polêmica no país. Alvarito teria dito a um programa da Rede Uno que ele e a família precisam de uma vida melhor e uma casa com um quarto para ele, outro quarto para as irmãs e para a mãe, além de uma lavanderia.

BBC Brasil |

Ele foi entrevistado na casa simples onde mora com a mãe, Marisol Peredo, e duas irmãs maternas, em Cochabamba, no centro da Bolívia. "Quando meu pai foi eleito presidente, pensei: minha vida vai mudar. Vamos parar de viver de casa em casa. Mas isso não aconteceu", disse.

As declarações do adolescente foram reproduzidas pelo jornal La Prensa e também foram lidas no programa de outro canal de televisão, o "No Mentirás" ("Não mentirás", em tradução livre), da emissora de televisão P.A.T na noite desta quarta-feira, véspera do fechamento da campanha eleitoral, marcado para esta quinta-feira.

Reação
O porta-voz do presidente Evo Morales, Ivan Canelas, telefonou para o programa da P.A.T, para criticar a Rede Uno pela entrevista com Alvarito, e negar, como informou a P.A.T, que o governo tinha entrado na Justiça contra a Rede Uno, por ter transmitido a entrevista.

"Essa entrevista (com Alvarito) faz parte da campanha suja a poucos dias das eleições. Fizeram o menino chorar e dizer certas coisas diante das câmeras de televisão, invadiram a privacidade do presidente e, além de tudo, não respeitaram o código da criança e do adolescente que proíbe esse tipo de exposição", afirmou Canelas.

Segundo ele, "esperaram o fim da campanha" para transmitir o vídeo que já teria sido gravado anteriormente. Numa entrevista, nesta quarta-feira, quando perguntado a respeito da entrevista, Evo Morales respondeu que não falaria no assunto.

"É uma pergunta de um meio de comunicação da oposição", disse.

O presidente é solteiro, como ele mesmo se define, e tem dois filhos de duas relações. Alvarito e Eva Lins Morales, que recentemente completou quinze anos.

Pesquisas
Segundo diferentes pesquisas de opinião, Evo Morales, do Movimento ao Socialismo (MAS), lidera as intenções de voto e venceria o primeiro turno do pleito, neste domingo.

Levantamento da Equipos Mori, por exemplo, indicou que o presidente seria reeleito com 52,6% dos votos - 31,5% a mais que o segundo colocado, Manfred Reyes Villa, do Plano Progresso para Bolívia-Convergência Nacional (PPB-CN). Reyes Villa teria, de acordo com a pesquisa, 21% das intenções de voto.

A poucas horas do fim da campanha, os muros de La Paz estão cobertos com cartazes de Evo que dizem: "Com Evo, Bolívia avança". Também são visíveis cartazes dos candidatos da oposição.

A eleição deste domingo está prevista na nova Constituição boliviana, ratificada num referendo em janeiro passado. A data do pleito foi antecipada e a definição deste processo eleitoral incluiu uma greve de fome do presidente, no palácio presidencial Queimado, em abril passado.

Os bolivianos votarão para presidente, vice e para deputados e senadores. A chapa presidencial eleita governará até 2015.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG