Filha de Raúl Castro diz que mudança geracional no Governo cubano será lenta

Madri - Mariela Castro, filha do presidente de Cuba, Raúl Castro, tem a impressão de que a mudança geracional nas instâncias do poder em seu país será feita devagar, o que é bom.

EFE |

Em entrevista publicada, neste sábado, pelo jornal espanhol "La Vanguardia", Mariela diz defender que os cubanos possam sair do país com liberdade.

"As pessoas podem sair, mas com muitas dificuldades. Seria preciso reduzi-las. Que o povo não tenha privado seu direito de sair", declara Mariela, que acrescenta que apenas as pessoas em dia com a Justiça poderiam fazer isto.

Mariela conversa em algumas ocasiões com seu pai e com seu tio, Fidel Castro, mas quase não fala sobre política, já que diz que os dois são "muito discretos", e reconhece que eles são muito diferentes.

Assim, Mariela diz que Fidel "cuida da estratégia" e que Raúl, "mais do momento concreto, das engrenagens do mecanismo, têm muito senso de equipe. Fidel tem um sentido mais filosófico, é mais líder do que executor".

Sobre a situação do Partido Comunista de Cuba, Mariela destaca que "agora precisa ser mais participativo. Houve um tempo no qual foi muito rígido, mas isto está mudando".

Mariela Castro é a diretora do Centro Nacional de Educação Sexual de Cuba (Cenesex), cargo institucional, mas afirma que não tem vontade de entrar na carreira política.

De seu posto defende algumas mudanças em questões sexuais, como a possibilidade de que casais homossexuais possam se unir legalmente "com os mesmos direitos que os casais heterossexuais, com exceção da adoção".

Leia mais sobre: Cuba

    Leia tudo sobre: cuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG