Fidel defende Obama: extrema-direita americana o odeia por ser negro

O líder cubano Fidel Castro afirmou que o presidente Barack Obama está tentando resolver os problemas dos Estados Unidos, mas a direita racista visa a desgastá-lo e tirá-lo do jogo, em um novo artigo publicado nesta terça-feira.

AFP |

Segundo Fidel, "a poderosa extrema-direita odeia Obama por ser negro", por isso boicota tudo o que ele faz, mesmo que o presidente americano não pretenda mudar o sistema capitalista.

"Nasceu, se educou, fez política e teve êxito dentro do sistema capitalista imperial de Estados Unidos. Não desejava nem podia mudar o sistema. O curioso é que, apesar de tudo isso, a extrema-direita o odeia por ser afro-americano e combate o que ele faz para melhorar a imagem deteriorada desse país", afirma o ex-presidente cubano.

"Não tenho a menor dúvida de que a direita racista fará de tudo para desgastá-lo, obstaculizando seu programa para tirá-lo do jogo de um modo ou de outro, ao menor custo político possível. Tomara que eu esteja equivocado!", acrescentou.

O líder comunista chegou a elogiar Obama no início de seu mandato, mas depois dedicou várias colunas para criticá-lo.

mis/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG