Fidel critica em artigo gestão do Governo mexicano sobre gripe

Havana, 17 mai (EFE).- O líder cubano Fidel Castro negou hoje que existam duas opiniões diferentes na ilha sobre a gripe suína, no quarto artigo desta semana no qual critica a forma como o Governo mexicano lidou com a epidemia.

EFE |

"A Chancelaria mexicana publicou que, apesar das críticas de Fidel Castro, na reunião em Praga do Grupo do Rio-União Europeia, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, tinha assinado uma declaração que manifestava o reconhecimento às autoridades mexicanas", diz o ex-presidente.

"O que Bruno fez exatamente em Praga foi correto. Ele se reuniu todo o tempo necessário para escutar com atenção a secretária (mexicana de Exteriores, Patricia Espinosa) e conversou com ela", afirma Fidel.

O líder cubano acusa o Governo mexicano de esconder o início da epidemia antes da visita feita em abril ao país pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

"O encontro entre Bruno e Patricia em Praga foi respeitoso e franco. Nosso chanceler expressou à secretária a solidariedade de Cuba para com seu país e a vontade de cooperar com o povo mexicano para enfrentar a epidemia", diz Fidel.

"Recorrer à intriga, à mentira e à ameaça é sinal inequívoco de que o adversário ideológico está perdendo a batalha", acrescenta o ex-presidente no quarto artigo de "Reflexões" dedicado à gripe e à polêmica com o México.

Cuba mantém os voos aos Estados Unidos, o país que reportou até agora o maior número de contagiados pela doença.

"Agora, a epidemia se estendeu amplamente por Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Espanha, Europa em geral e outras dezenas de países. Será preciso empregar agora métodos de proteção associados à nova realidade", afirmou Fidel. EFE am/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG