Havana, 7 set (EFE).- O líder cubano Fidel Castro criticou a empresa holandesa Philips em seu último artigo, acusando a companhia de traição por descumprir seus compromissos na entrega de equipamentos médicos para Cuba e Venezuela.

No mais recente texto de suas "Reflexões", intitulado "A Dupla Traição da Philips", Fidel, de 83 anos e afastado do poder desde julho de 2006 por uma doença, ataca ainda os Estados Unidos por supostamente pressionar a empresa holandesa para deixar de fornecer equipamentos a Cuba.

Cuba e Venezuela estão unidos desde 2000 por um convênio pelo qual a ilha recebe 100 mil barris diários de petróleo em troca do envio de profissionais cubanos da saúde, esporte e educação à Venezuela.

Por causa deste convênio, os dois países negociaram conjuntamente a compra de 3.553 aparelhos de tomografia, ressonância nuclear e ultrassom magnético, por um valor de US$ 72,7 milhões, segundo Fidel.

O ex-presidente assegura ter "participado pessoalmente" da negociação, em data que não informa, "pagando à vista" pelos equipamentos médicos às companhias Siemens (alemã) e Philips.

Segundo Fidel, a Siemens cumpriu sua parte do acordo, mas a Philips deixou de fornecer os equipamentos no final de 2006. EFE rmo-fjo/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.