Feto é listado como 17ª vítima de massacre de soldado no Afeganistão

De acordo com NYT, mulher morta estava grávida e por isso Robert Bales responderá a 17 acusações de homicídio

iG São Paulo |

Um feto está entre os 17 mortos por um militar dos Estados Unidos no Afeganistão no dia 11 de março, segundo informou o jornal americano The New York Times.

De acordo com a reportagem, essa seria a razão pela qual o governo e a mídia dos EUA trabalham com o número de 17 vítimas , enquanto os afegãos mantêm que 16 civis morreram no ataque pelo qual o sargento Robert Bales é acusado.

Leia também: Sargento receberá 17 acusações de homicídio por massacre afegão

"Os americanos estão certos. Uma das mulheres estava grávida, e é por isso que estão dizendo 17", informou ao jornal o chefe de polícia da província de Kandahar, Abdul Razak.

Nos EUA, as acusações formais do Pentágono baseiam-se na legislação militar americana que determina que a morte de uma criança ainda no útero pode ser considerada assassinato independentemente de o assassino saber que a vítima estava grávida ou se havia ou não a intenção de matar o feto.

De acordo com o NYT, a lei indica, no entanto, que o assassinato de um feto não pode ser condenado com a pena de morte.

Robert Bales: Soldado era considerado 'calmo' e respeitado pela maturidade

Também nesta segunda-feira, autoridades americanas e afegãs afirmaram que o Pentágono pagou uma indenização aos familiares dos 16 mortos e seis feridos, no valor de US$ 50 mil (R$ 90 mil) por cada morte e US$ 11 mil (R$ 19 mil) para cada civil ferido, totalizando US$ 866 mil (R$ 1,5 milhão).

Já a mulher do sargento, Karilyn Bales , disse ao programa Today Show, da emissora de TV NBC, que as acusações são inacreditáveis e que "ele jamais faria isso". Na entrevista que deve ir ao ar nesta segunda-feira, Karilyn indicou ainda que "ele adora crianças" e que "queria proteger seu país", segundo o jornal.

De acordo com as investigações iniciais, Robert Bales teria deixado as instalações militares na madrugada de do dia 11 de março e invadido casas de famílias afegãs em vilarejos próximos. O Taleban prometeu vingar as mortes e disse que os assassinatos foram cometidos por "selvagens americanos".

Com BBC

    Leia tudo sobre: afeganistãoeuarobert balesmassacreobamasoldado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG