Tamanho do texto

PARIS ¿ O Festival Internacional de Fotojornalismo Visa pour lImage, considerado o mais renomado do mundo, celebra neste ano sua 20ª edição com cerca de 30 exposições, que incluem obras de grandes nomes da profissão e também fotos marcantes de grandes acontecimentos das últimas décadas. As exposições, gratuitas, ocorrem na cidade de Perpignan, no sul da França.

Minorias no Irã, em 2008, em ritual religioso que
consiste em cobrir o corpo de lama / Sipa Press

Entre as obras de grandes profissionais do fotojornalismo apresentadas, estão as do americano David Douglas Duncan, considerado um dos maiores do século 20, que retratam a guerra da Coréia, no início dos anos 50.

O festival realiza também uma retrospectiva de Horst Faas, que trabalhou entre 1956 e 2004 para a agência Associated Press, com algumas de suas marcantes fotos feitas na guerra no Vietnã, nas décadas de 60 e 70.

Também são exibidos os trabalhos de Göksin Sipahioglu, de origem turca, que antes de fundar a agência Sipa, em 1973, realizou fotos emblemáticas da revolta estudantil de maio de 68 na França.

Jovens talentos

Para marcar a 20ª edição do festival, a agência France Presse apresenta a exposição "Retorno a 20 anos de atualidades", com os trabalhos de vários de seus fotógrafos na França e em todo o mundo. Acontecimentos importantes da atualidade internacional, como o conflito iraquiano, a crise em Darfur, a situação no Afeganistão, no Tibete e na República Democrática do Congo, também são retratados em exposições do festival.

O Visa pour l'Image também é conhecido por descobrir novos jovens talentos do fotojornalismo internacional. Durante os próximos dias serão entregues três prêmios considerados importantes pelos profissionais do setor. O Visa de Ouro recompensará as melhores fotoreportagens realizadas no último ano nas categorias jornais diários internacionais, revistas, além do prêmio "News", de 8 mil euros cada (cerca de R$ 19 mil).

Filmes

O festival também realiza debates sobre a situação atual do fotojornalismo, que, para muitos especialistas, está em crise. Na opinião do fundador e organizador do evento, Jean-François Leroy,"as fotos jornalísticas hoje são cada vez mais uniformizadas. Tudo se tornou asséptico e não exprime nada. As fotos não devem ser apenas belas ilustrações", afirma.

Segundo ele, existe uma tendência de não mostrar mais a violência e de privilegiar apenas imagens sobre a vida de celebridades. "A profissão hoje é muito mais difícil. Cada vez menos jornais assumem o risco de fazer produções que dariam tempo suficiente para o fotógrafo trabalhar", disse Leroy em uma entrevista ao jornal Le Monde.

Mas, ao mesmo tempo, as publicações chegam a pagar 100 mil euros por fotos de paparazzis, critica o organizador do festival. Em 20 anos, Visa pour l'Image atraiu mais de um milhão de visitantes e organizou cerca de 600 exposições. O evento em Perpignan está em cartaz até 14 de setembro.

Leia mais sobre: fotojornalismo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.