Ferido no tiroteio de Tucson é detido por ameaças na TV

James Eric Fuller pegou uma fotografia do líder do movimento ultraconservador Tea Party Trent Humphries e gritou 'você está morto'

EFE |

Um dos feridos no tiroteio de Tucson há uma semana foi detido no sábado e será submetido a um exame psiquiátrico por fazer ameaças enquanto participava da gravação de um programa de televisão.

James Eric Fuller, de 63 anos, que foi atingido no joelho por um dos disparos no tiroteio, pegou uma fotografia do líder do movimento ultraconservador Tea Party Trent Humphries e gritou "você está morto", informou a rede "KGUN-TV" de Tucson. O Tea Party foi apontado como um dos responsáveis pelo tiroteio por causa de sua retórica política incendiária contra os democratas.

Ambos participavam de uma discussão para tratar sobre o incidente, que estava sendo gravada para ser emitida no programa "This Week", da rede "ABC", neste domingo.

Aparentemente questionado sobre o controle das armas nos EUA, Humphries respondeu que é necessário esperar que se tenham enterrado todas as vítimas do tiroteio para começar a pensar no assunto.

O comentário incomodou Fuller. Após fazer a ameaça a Humphries, Fuller foi detido por alteração da ordem pública e por ameaças. Enquanto ele era tirado da área em que acontecia a gravação, as autoridades decidiram conduzi-lo a um hospital, onde permaneceu durante a noite de sábado, para submetê-lo a um exame psiquiátrico.

Seis pessoas morreram, entre elas uma menina de nove anos, e 14 ficaram feridas no tiroteio de 8 em Tucson. O jovem com aparentes problemas mentais Jason Loughner, de 22 anos, foi acusado pelos crimes.

Entre os feridos está a congressista democrata Gabrielle Giffords, que recebeu um tiro na cabeça e continua em estado grave, embora sua evolução tenha superado as expectativas médicas.

    Leia tudo sobre: euaarizonaJared LoughnerGabrielle Giffords

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG