Contra a maré das críticas contra a vuvuzela, a corneta usada pela torcida sul-africana em estádios de futebol, o técnico da África do Sul, o brasileiro Joel Santana, defendeu o seu uso. Não incomoda, é a cultura. Cada povo se comporta de uma maneira. Vão se incomodar com uma cornetinha? Deixa tocar... É bonito, é legal, disse ele à BBC Brasil, nesta terça-feira.

AP
Joel Santana grita com seus comandados durante o jogo entre África do Sul e Iraque
Joel Santana durante o jogo entre África do Sul e Iraque

Desde o início da Copa das Confederações, vêm se avolumando as críticas contra a vuvuzela, considerada irritante por vários estrangeiros que assistem aos jogos na África do Sul. Santana diz acreditar que as críticas ocorrem porque "o europeu é cheio de disse-me-disse, fica logo incomodadinho". "E tem uma pequeninha que é pior ainda", lembra. "Eu incentivo."

Para o jogo contra o Brasil, nesta quinta-feira, em Johanesburgo, o treinador carioca deu um conselho para os que se incomodam com o som das vuvuzelas. "Podem preparar o algodão para os ouvidos", disse.

África do Sul x Brasil

Santana diz esperar um grande jogo contra o time de Dunga, partida que vale vaga na final da competição. "Deve ser uma partida altamente técnica, harmoniosa. O Bafana Bafana (apelido da seleção sul-africana) está surpreendendo com a maneira de jogar, tentando enfrentar todos de igual para igual, jogar bonito", disse.

"Nosso objetivo nesse jogo é ganhar experiência contra uma seleção de Kaká, Robinho e outros grandes nomes." "Pra nós vai ser bom e acho que temos condições de fazer um grande jogo, onde vamos tentar suportar a pressão brasileira. Sem medo." "Espero que a Bafana Bafana faça uma grande atuação para ficar marcada também junto ao povo brasileiro, para quando o Brasil não estiver jogando, eles possam torcer um pouco também para nós."

Vida na África

Há 13 meses no cargo, Joel se diz feliz com a vida que leva em Johanesburgo. "Tenho o maior respeito por esse país, que me acolheu, deu a mão e trata bem", diz ele. "Nosso povo gosta de futebol, acredita na seleção, que estava desacreditada quando assumi." Longe da mulher, que mora no Brasil, e da filha, que estuda em Londres, Santana diz que não sai muito de casa. Ele mora perto de um shopping center onde costuma passear. E diz que não se preocupa com a violência, apesar de a África do Sul ter índices de criminalidade considerados bastante altos. "A questão da segurança não preocupa porque aqui sou conhecido por todo mundo", diz.

Leia mais sobre Joel Santana

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.