Felipe Calderón ataca corrente protecionista e propõe medidas contra a crise

Washington, 15 nov (EFE).- O presidente do México, Felipe Calderón, aconselhou hoje evitar uma nova era de protecionismo a todo custo e delineou quatro medidas imediatas para enfrentar a crise financeira mundial.

EFE |

Após sua participação na Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países mais ricos e os principais emergentes), Calderón afirmou em entrevista coletiva que a crise não se originou nos países em desenvolvimento.

Para enfrentar a crise global propôs medidas de contenção, como a adoção de políticas econômicas "anticíclicas" de maneira coordenada, a reforma das instituições financeiras nacionais e internacionais, e a prevenção do protecionismo.

"A mão invisível falhou e se requer agora a mão visível do Estado para corrigir desigualdades, desequilíbrios e especialmente para reativar a economia através de políticas contracíclicas que evitem a recessão", afirmou.

O presidente do México fez uma ferrenha defesa da economia de livre mercado que, segundo sua opinião, não está morta.

Além disso, Calderón também considerou "indispensável" que se dê um impulso "decidido" à conclusão das negociações da Rodada de Doha, no marco da Organização Mundial do Comércio. EFE mp/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG