Federação iraniana nega expulsão de 2 jogadores da seleção

Teerã, 24 jun (EFE).- O vice-presidente da federação iraniana de futebol, Mehdi Taj, negou hoje que os jogadores Ali Karimi e Mehdi Mahdavikia tenham sido expulsos da seleção nacional por apoiar a oposição usando munhequeiras verdes nas Eliminatórias para a Copa do Mundo.

EFE |

Em declarações à agência de notícias local "Mehr", o dirigente disse que a saída desses dois jogadores da seleção iraniana se deve "a uma decisão própria, profissional e totalmente pessoal".

Taj desmentiu que tenha havido pressões sobre os jogadores por terem disputado uma partida oficial com uma munhequeira verde, cor adotada por Mir Hussein Moussavi, candidato derrotado nas eleições presidenciais de 12 de junho.

Da mesma forma, negou que os passaportes de ambos tenham sido confiscados, como tinham indicado fontes da oposição.

"Os dois jogadores jogaram durante anos com orgulho pelo futebol iraniano, e devemos agradecê-los da forma apropriada", afirmou.

Taj não se referiu, no entanto, à situação dos outros dois jogadores que teriam sido expulsos.

O diário oficial "Irã" tinha informado hoje que quatro dos seis jogadores iranianos que em 17 de junho usaram munhequeiras verdes em uma partida com a Coreia do Sul tinham sido expulsos da seleção nacional.

Segundo o jornal, entre os jogadores punidos está Ali Karimi, de 38 anos, que tinha retornado à seleção após ter se aposentado para tentar ajudar a seleção a conseguir a classificação para a Copa do Mundo.

Os outros são Mehdi Mahdavikia, de 32 anos que joga no Eintracht Frankfurt, Vahid Hashemian, também de 32 anos e meio-campo do Bochum, e Hossein Kaabi, de 24, que tinha voltado ao Campeonato Iraniano após passagem pelo Leicester City. EFE msh/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG