Fed: Atividade econômica nos EUA continua a se contrair, mas há sinais de estabilização

A atividade econômica nos Estados Unidos continuou a se deteriorar no último mês de março, mas já começam a aparecer sinais de alguma estabilização, aponta o relatório conhecido como Livro Bege, divulgado pelo Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) nesta quarta-feira. O relatório, que é usado como base para o cálculo da taxa de juros norte-americana, afirma que no geral, a atividade econômica se contraiu ainda mais ou permanece frágil.

BBC Brasil |

Algumas das regiões onde os dados foram coletados, no entanto, apresentaram uma "redução no ritmo de declínio" da atividade econômica, enquanto outras permaneceram "estáveis".

A divulgação dos dados acontece um dia depois de o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e do chefe do Fed, Ben Bernanke, terem afirmado que começam a surgir sinais de recuperação econômica no país.

Os dados do chamado "Livro Bege" são compilados oito vezes ao ano pelas unidades regionais do Fed em 12 distritos dos Estados Unidos.

O último relatório do tipo havia sido divulgado no início de março.

Leia também na BBC Brasil: Obama diz ver sinais de progresso econômico nos EUA
"Leve melhora"
Apesar de mostrar algumas melhoras, o relatório divulgado nesta quarta-feira pinta um quadro sombrio sobre a atividade econômica nos EUA.

"A atividade industrial se enfraqueceu em diversos setores na maioria das regiões pesquisadas, com algumas poucas exceções", afirma o relatório.

"As atividades não-financeiras continuam a se contrair nas regiões", completa.

Antes, também nesta quarta-feira, o Fed havia confirmado que a produção industrial nos EUA caiu 1,5% em março.

O "Livro Bege" também aponta que os gastos no varejo continuam baixos, mas afirma que "alguns distritos apresentaram uma leve melhora nas vendas em comparação ao período do último relatório".

PreçosOs dados apontam que o mercado imobiliário americano continua enfraquecido, mas que há sinais de que o interesse dos compradores pode estar começando a voltar.

"Os preços dos imóveis residenciais, assim como a construção civil, continuam em queda na maioria das regiões, mas um movimento de compradores maior que o esperado levou a um aumento disperso nas vendas em alguns distritos".

Também foi observada uma redução nos preços aos consumidores.

De fato, dados oficiais do Departamento de Trabalho dos EUA divulgados nesta quarta-feira apontam uma queda de 0,1% nos preços ao consumidor no último mês de março.

O declínio representa uma queda de 0,4% em relação ao mesmo período do ano passado, no primeiro declínio anual desde 1955.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG