Fechamento de mercado não vai azedar laços da China com Rússia

MOSCOU, 25 de julho (Reuters) - A Rússia informou neste sábado que a China aceitou que um abrupto fechamento de um mercado em Moscou frequentado por dezenas de milhares de comerciantes chineses não deve afetar os laços comerciais e econômicos dos dois países. Pequim tem reclamado contra o fechamento do mercado, que estimativas afirmam que causou desemprego de cerca de 100 mil pessoas, e pediu a Moscou para levar em consideração a parceria estratégica dos países.

Reuters |

O vice-ministro de comércio da China, Gao Hucheng, chegou a Moscou esta semana para discutir o impacto do fechamento do mercado em 29 de junho, que foi seguido de reclamações sobre suas operações pelo premiê russo, Vladimir Putin.

"Os eventos que envolvem o mercado de Cherkizovsky não devem ter um impacto negativo sobre o comércio e cooperação econômica entre a Rússia e a China", afirmou o ministério russo de Relações Exteriores, em comunicado.

Pequim fez um acordo este ano para emprestar a petrolíferas russas 25 bilhões de dólares em troca por fornecimento de petróleo por 20 anos a preços abaixo do mercado.

Putin afirmou que o mercado, que vendia roupas baratas, era foco importante de contrabando de produtos, movimentando 2 bilhões de dólares. O mercado fica a apenas oito quilômetros da sede do governo russo, o Kremlin.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG