Fechamento de escritório de Nobel da paz é ação legal, diz Irã

TEERÃ (Reuters) - O Irã disse na segunda-feira que o fechamento do escritório de Shirin Ebadi, ganhadora do prêmio Nobel da paz, foi de ordem legal e que as autoridades vão protegê-la caso ela precise. No sábado, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou através de um comunicado que está preocupado com os relatos de assédio contra Ebadi, que ganhou o Nobel em 2003, e pediu a Teerã que garanta a sua segurança.

Reuters |

A sede do grupo em defesa dos direitos humanos dirigido por Ebadi foi fechada no dia 21 de dezembro sob a alegação de que a organização não tinha permissão legal para funcionar. O fechamento foi criticado por países e organizações ocidentais. O Irã diz que o fechamento é temporário.

Manifestantes protestaram diante da casa e do escritório dela na quinta-feira, acusando-a de simpatizar com Israel, arquiinimigo do Irã.

Perguntado sobre a preocupação de Ban, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores iraniano, Hassan Qashqavi, disse que a ação no escritório de Ebadi foi uma questão legal e que os protestos da semana passada mostram que "sentimentos espontâneos devem ser tolerados".

"Esta é apenas uma questão legal e nós não podemos ir contra a lei", disse ele em uma coletiva de imprensa, acrescentando que Ebadi também tem questões a resolver com o órgão tributário do Irã.

"Ninguém na República Islâmica deve esperar agir acima da lei. Por que alguém deve receber tratamento privilegiado? Os advogados devem estar à frente da lei e respeitá-la", disse Qashqavi.

Ebadi critica veementemente o desrespeito aos direitos humanos no Irã, dizendo que o país teve o maior número de execuções per capita em 2007 e um número de crescente de presos políticos.

O governo iraniano nega a violação de direitos humanos e acusa seus críticos ocidentais de hipocrisia.

(Reportagem de Hossein Jaseb)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG