FBI diz que análise de DNA confirmou envolvimento de cientista em caso Antraz

Washington, 3 ago (EFE).- Mostras de DNA das cinco pessoas mortas em 2001 devido aos ataques com antraz ajudaram o FBI (polícia federal americana) a determinar a participação do cientista morto Bruce Ivins no fato, informou hoje a rede de televisão CNN.

EFE |

Ivins se suicidou na semana passada, em uma decisão que poderia ter sido tomada em um ato desespero diante do iminente julgamento que as autoridades planejavam iniciar contra ele.

O laboratório de armas biológicas do Exército em Fort Detrick, Maryland, no qual trabalhava Ivins, estava na mira do FBI há muito tempo, mas os investigadores não tinham sido capazes de detectar até agora a cepa de antraz utilizada nos ataques.

Essa cepa coincidiria com uma das que eram manipuladas por Ivins.

O FBI gastou pelo menos US$ 10 milhões nas investigações sobre o caso.

Por outro lado, uma gravação de um comparecimento perante um tribunal da terapeuta de Ivins indica que o cientista tinha tentado envenenar pessoas anteriormente.

Jean Duley testemunhou nem 24 de julho para solicitar proteção frente a Ivins, em um comparecimento em que disse estar aterrorizada com o biólogo.

"É um assassino vingativo", disse Duley em seu depoimento, que foi reproduzido pelo jornal "The New York Times". EFE tb/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG