FBI divulga iniciativa para prender caminhoneiros assassinos

Possíveis serial killersque trabalham como caminhoneiros podem ser os responsáveis por mais de 500 assassinatos nas estradas americanas, afirma o FBI, a polícia federal dos Estados Unidos. Nos últimos dias, o FBI anunciou a iniciativa Highway Serial Killings, ou Assassinatos em Série nas Auto-estradas, em tradução literal, numa tentativa de conectar as polícias dos diferentes Estados americanos e aumentar o banco de dados sobre este tipo de crime.

BBC Brasil |

A grande maioria das vítimas é formada por mulheres em situação de risco, como prostitutas e mulheres pedindo carona na beira das estradas. Elas geralmente são pegas em paradas de caminhoneiros ou postos de gasolina, violentadas e assassinadas. Os corpos, em geral, também são deixados perto das estradas.

A primeira conexão entre um caminhoneiro e uma série de assassinatos ao longo da estrada Interstate 40, em Oklahoma, foi feita cinco anos atrás, quando uma detetive da polícia local pediu ajuda ao FBI durante uma investigação.

Ela procurava mais informações sobre crimes semelhantes ocorridos na região e tentava descobrir se havia um padrão. O FBI concluiu que sim e ao investigar mais a fundo, encontrou cerca de 500 assassinatos cometidos nos últimos 30 anos, em situações similares, nas estradas americanas.

Ao todo, o banco de dados inclui uma lista de cerca de 200 suspeitos potenciais. Os nomes, enviados por diferentes agências policiais, são examinados por analistas que tentam identificar os passos desses suspeitos com a ajuda de outras fontes.

'Mobilidade'
"A cena do crime é móvel", disse um investigador ao jornal americano Los Angeles Times. "Você pode pegar uma garota na costa leste, matá-la dois Estados adiante e largar o corpo três Estados depois".

Segundo o FBI, isso dificultava a investigação e a prisão dos suspeitos, pois os pontos não se conectavam - a polícia de um Estado era notificada do desaparecimento de alguém, enquanto a polícia de outro Estado investigava o aparecimento de um corpo, sem qualquer relação local.

Mas o número de casos semelhantes encontrados era tão alto, que o FBI designou um agente apenas para estudar os crimes e cruzar as informações.

A iniciativa já existe há alguns anos, mas foi amplamente divulgada no último dia 4 para informar as polícias estaduais sobre a tendência e encorajar os agentes a incluir informações no banco de dados nacional, para facilitar as investigações.

Os suspeitos são, predominantemente, caminhoneiros, diz o FBI. Mas a natureza móvel dos criminosos, o estilo de vida inseguro das vítimas, as grandes distâncias, várias jurisdições envolvidas e a falta de testemunhas ou provas tornam esses casos mais difíceis de resolver, afirmam as autoridades.

O FBI diz que pelo menos dez suspeitos relacionados a cerca de 30 casos foram presos desde o início do programa.

O sucesso do programa depende amplamente da contribuição das polícias locais, dizem as autoridades, que devem incluir informações sobre assassinatos e crimes aparentemente desconectados ou insolúveis.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG