Fatos mais importantes em Mianmar desde os protestos populares de 1988

Yangun (Mianmar), 9 mai (EFE).- A Junta Militar birmanesa convocou para hoje um plebiscito constitucional em todo o país, exceto as áreas mais atingidas pelo ciclone Nargis, onde a consulta será feita no dia 24.

EFE |

Estes são os fatos mais importantes ocorridos em Mianmar (antiga Birmânia) desde os protestos populares de 1988: 1988 Abril.- Aung San Suu Kyi, filha do herói da independência birmanesa, general Aung San, retorna ao país para cuidar de sua mãe doente, Khin Kyi, sem saber que se transformaria na líder do movimento democrático de Mianmar.

8 de agosto.- Greve geral. Milhares de pessoas pedem reformas democráticas nas ruas. As forças de segurança abrem fogo e centenas de pessoas morrem em Yangun.

18 de setembro. - O general Saw Maung, após mais de um mês de protestos e cerca de três mil mortes, anuncia a criação do Conselho de Estado para a Restauração da Lei e da Ordem (SLORC, na sigla em inglês). O general Ne Win, autor do golpe de Estado de 1962, se retira a um discreto segundo plano.

27 de setembro.- Suu Kyi, Aung Gyi e Tin U registram a Liga Nacional pela Democracia (LND) como partido político.

1989 16 de fevereiro.- O Governo anuncia eleições para 1990.

20 de julho.- Suu Kyi é posta em prisão domiciliar.

1990 31 de maio.- São realizadas as primeiras eleições desde o levante de Ne Win e a LND vence, mas os militares do SLORC ignoram o resultado e aumentam a pressão sobre o opositores.

1991 14 de outubro.- É anunciada a concessão do Prêmio Nobel da Paz a Suu Kyi.

1992 23 de abril.- O general Than Shwe é nomeado presidente do SLORC.

1993 9 de janeiro.- A Convenção Nacional começa a redigir uma nova constituição.

1995 10 de julho.- Suu Kyi é liberada, e em novembro rejeita a participação da LND na Convenção Nacional porque não a oferecem a representatividade obtida nas eleições de 1990.

1997 24 de julho.- Mianmar entra para a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean).

18 de novembro.- O Conselho de Estado para a Paz e o Desenvolvimento (SPDC, em inglês) substitui o SLORC, com Than Shwe ainda à frente.

2000 21 de setembro.- Segunda prisão domiciliar de Suu Kyi.

2002 6 de maio.- Suu Kyi é libertada.

5 de dezembro.- Morre Ne Win aos 92 anos e sob prisão domiciliar desde março, acusado de planejar um levante.

2003 31 de maio.- Suu Kyi é detida quando seguidores governamentais atacam sua caravana em Yaway Oo, 560 quilômetros ao norte de Yangun.

O Governo fecha a sede da LND.

26 de agosto.- O chefe do serviço de Inteligência birmanês, general Khin Nyunt, assume o cargo de primeiro-ministro. Logo em seguida, anuncia um plano para restabelecer a democracia, que passa por concluir o projeto constitucional, submetê-lo a um plebiscito e realizar eleições.

2004 Setembro, 2004.- Expurgo no SPDC: caem os ministros de Assuntos Exteriores, U Win Aung; Agricultura, Nyunt Tin; e Transportes, Myint Swe, considerados da ala moderada.

7 de outubro.- Mianmar ingressa no Fórum Econômico Ásia-Europa (Asem, em inglês).

19 de outubro.- Khin Nyunt é acusado de corrupção e detido. Soe Win o substitui no cargo de primeiro-ministro.

2005 Novembro.- É inaugurada a nova capital: Naypyidaw.

2007 18 de maio.- O general Thein Sein assume como primeiro-ministro interino.

15 de agosto.- O Governo aumenta os preços dos combustíveis, o que provoca uma onda de protestos.

17 de setembro.- Os monges budistas assumem a liderança dos protestos contra o Governo.

24 de setembro.- Pelo menos 300 mil pessoas marcham de maneira pacífica em Yangun e outras cidades contra a Junta, no maior protesto no país desde 1988.

25 de setembro.- Começam as detenções. A dissidência denuncia a morte de 200 pessoas e a prisão de seis mil.

29 de setembro.- O enviado especial da ONU para Mianmar, Ibrahim Gambari, chega a Yangun para restabelecer o diálogo entre a Junta Militar e Suu Kyi.

2008 9 de fevereiro.- O Governo anuncia o plebiscito constitucional para o dia 10 de maio e eleições gerais em 2010.

10 de março.- Gambari termina nova visita sem conseguir que o regime militar aceite nenhuma de suas propostas, como a libertação de todos os presos políticos.

2 de maio.- O ciclone tropical "Nargis" entra pelo sul de Mianmar causando dezenas de milhares de mortes e deixando mais de um milhão de pessoas desabrigadas. EFE zm/ev/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG