Fãs vão se despedir do rei do pop em Los Angeles

Michael Jackson terá na próxima terça-feira uma despedida digna do título de rei do pop, em uma grande funeral no principal ginásio esportivo de Los Angeles, que representará mais um capítulo na história de um artista tão brilhante quanto extravagante.

AFP |

A última homenagem do público a Michael Jackson, falecido em 25 de junho, acontecerá no Staples Center de Los Angeles, informou na quinta-feira à noite o representante da família do astro pop.

Para o evento serão distribuídos cerca de 11 mil ingressos, gratuitos, revelou a Sunshine, Sachs & Associates, firma contratada pela família Jackson para contato com a imprensa.

O tributo ao "rei do pop", em pleno centro de Los Angeles, começará às 10H00 local (14H00 Brasília) do dia 7 de julho, e os detalhes da cerimônia serão divulgados em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

O Staples Center é o ginásio da equipe de basquete dos Los Angeles Lakers, atual campeão da NBA, e fica na zona turística da cidade.

Possivelmente serão instalados telões gigantes em torno do estádio para que os fãs possam acompanhar a cerimônia.

O presidente da empresa promotora de shows AEG, que estava produzindo a série de 50 concertos de Jackson em Londres, participará da entrevista coletiva, para dar detalhes sobre o evento de despedida.

O anúncio ocorre após horas de especulações na imprensa sobre o destino final de Jackson, que faleceu na quinta-feira passada, de parada cardíaca, aos 50 anos.

Segundo a imprensa local, Jackson será enterrado no cemitério Forest Lawn, nas colinas de Hollywood, apesar das declarações de um dos irmãos do astro, Jermaine Jackson, sobre a preferência da família pelo rancho Neverland, 150 km a oeste de Los Angeles.

Os promotores da AEG divulgaram na quinta-feira um vídeo dos últimos ensaios de Jackson, precisamente no Staples Center, dois dias antes de sua morte, para provar que o rei do pop estava bem.

Em uma versão hip-hop do tema "They Don't Care About Us", Jackson, de camisa vermelha, calças e jaqueta pretas, canta e dança no ritmo que o transformou num dos artistas mais populares de todos os tempos.

Em mais uma polêmica após a morte do cantor, Debbie Rowe, segunda mulher de Michael Jackson, anunciou que pretende pedir a guarda dos dois filhos que teve com o rei do Pop.

"Quero meus filhos", declarou Debie Rowe na quinta-feira durante uma entrevista por telefone de 90 minutos ao canal de TV americano NBC, rompendo o silêncio que vinha mantendo desde o falecimento do astro.

Rowe destacou que está disposta a se submeter a todos os testes necessários para provar que é a mãe de Prince Michael I e Paris, até mesmo psicológicos.

Ela também disse que pedirá à Justiça uma ordem de afastamento dos menores do patriarca dos Jackson, Joe Jackson, proprietário da casa do clã para onde foram levados os três filhos de Michael Jackson depois de sua morte.

Rowe, uma enfermeira que Jackson conheceu num consultório de dermatologia, foi casada com o cantor entre 1996 e 1999. Com ele teve Prince Michael I, hoje com 12 anos, e Paris, 11. Segundo documentos publicados quando o casal se divorciou, há 10 anos, ela teria renunciado a seus direitos de mãe.

No entanto, outros documentos indicam que, num julgamento posterior, em 2006, Rowe teria recuperado alguns direitos sobre os menores, depois que uma corte de apelações considerou um erro a decisão anterior.

Como os termos deste acordo foram alcançados fora dos tribunais, os detalhes não são conhecidos.

Na segunda-feira passada, a Suprema Corte de Los Angeles concedeu a Katherine Jackson, mãe do ídolo pop, a guarda provisória das duas crianças e de Prince Michael II, filho de uma mãe de aluguel cuja identidade nunca foi revelada.

O testamento de Michael Jackson confirmou que o desejo do "Rei do Pop" era dar a tutela de seus filhos à mãe, e caso esta não estivesse em condições de tomar conta deles à cantora Diana Ross, sua amiga.

O documento revela ainda que os bens do cantor devem ir para o Fundo da Família Michael Jackson ("Michael Jackson Family Trust"); os termos deste fundo, no entanto, não foram detalhados.

O cantor não faz nenhuma menção no testamento ao pai, Joseph Jackson, com quem mantinha uma relação complicada. O documento também confirma que Jackson não deixou nada para Debbie Rowe.

pb/LR/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG