Farmacêuticas de países emergentes darão à ONU 10% de vacinas antigripe

Genebra, 19 mai (EFE).- A farmacêuticas dos países emergentes se comprometeram hoje a entregar a preços quase de custo 10% de toda a produção da vacina contra a gripe suína, caso esta comece a ser fabricada.

EFE |

"Comprometemo-nos a entregar às agências da ONU, ao mínimo custo possível, 10% de toda nossa produção de vacinas contra a gripe, se for necessário produzi-la", disse à Agência Efe Suresh Jadhav, porta-voz da Rede de Produtores de Vacinas dos Países em Desenvolvimento (DCVMN, em inglês).

Jadhav, diretor-executivo do Instituto Serum da Índia, foi um dos 30 representantes da indústria farmacêutica que se reuniram hoje, em Genebra, com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e com a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, para discutir a necessidade e a maneira de produzir uma vacina contra a gripe A (H1N1).

No encontro, foram decididos os passos a serem dados pelas farmacêuticas, caso a OMS decida dar sinal verde à produção.

"Nós (os produtores das nações em desenvolvimento) quisemos mostrar nossa boa vontade e nosso compromisso, algo que os países desenvolvidos não fizeram", disse Jadhav, que indicou que participam deste acordo farmacêuticas do Brasil, China, Índia, México, Tailândia e Vietnã. EFE mh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG