BOGOTÁ (Reuters) - A guerrilha colombiana Farc planeja sabotar as eleições presidenciais de 30 de maio, especialmente com ataques no sul do país, disse nesta segunda-feira o ministro da Defesa, Gabriel Silva. Segundo ele, a tática será fazer com que militantes se façam passar por soldados e policiais.

Historicamente, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) intensificam suas atividades antes e durante as eleições, como parte de uma estratégia para demonstrar seu poderio militar, obter visibilidade política e se posicionar para negociações com o governo que for eleito, segundo analistas.

BOGOTÁ (Reuters) - A guerrilha colombiana Farc planeja sabotar as eleições presidenciais de 30 de maio, especialmente com ataques no sul do país, disse nesta segunda-feira o ministro da Defesa, Gabriel Silva. Segundo ele, a tática será fazer com que militantes se façam passar por soldados e policiais.

Historicamente, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) intensificam suas atividades antes e durante as eleições, como parte de uma estratégia para demonstrar seu poderio militar, obter visibilidade política e se posicionar para negociações com o governo que for eleito, segundo analistas.

"Detectamos um esforço do grupo narcoterrorista das Farc para fazer ações terroristas utilizando a modalidade de suplantação, ou seja, disfarçando terroristas de policiais", disse Silva a jornalistas.

"Pedimos aos cidadãos que estejam em alerta", disse o ministro, segundo quem planos nesse sentido foram detectados nos departamentos de Huila e Caquetá, onde opera a coluna móvel Teófilo Forero.

Essa estrutura militar das Farc sequestrou e matou em dezembro o governador de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar. Os rebeldes entraram na casa do político disfarçados como soldados do Exército e policiais.

Antes, o mesmo grupo havia sequestrado várias pessoas, inclusive 12 deputados regionais de Valle del Cauca, em pleno centro de Cali, também usando guerrilheiros disfarçados de soldados para atrair as vítimas.

A guerra civil colombiana já dura 45 anos, tendo deixado dezenas de milhares de mortos. As Farc, maior guerrilha do país, sofreram duros golpes durante o mandato do presidente Álvaro Uribe, iniciado em 2002.

O ex-prefeito de Bogotá Antanas Mockus, do Partido Verde, e o ex-ministro de Defesa Juan Manuel Santos, candidato de Uribe, são os favoritos no pleito presidencial, segundo as pesquisas.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.