Farc proíbem relações afetivas para reduzir deserções, diz imprensa

Bogotá, 18 jan (EFE).- O chefe militar das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) proibiu as relações afetivas na guerrilha com o objetivo de reduzir o número de deserções, informou o diário El Tiempo.

EFE |

A ordem dada pelo líder Jorge Briceño, conhecido como "Mono Jojoy", foi encontrada em e-mails filtrados pela imprensa em agosto do ano passado.

Os documentos foram encontrados em um dos 15 computadores confiscados dos insurgentes em operações militares e policiais, disse o jornal.

"As deserções tem de parar (...) se o problema está nas relações afetivas, então é preciso separar os casais", disse Briceño.

"Ficam proibidas as relações afetivas os que descumprirem esta ordem devem ser punidos", decretou.

No ano passado, 3.500 guerrilheiros das Farc desertaram, segundo números divulgados pelo presidente Álvaro Uribe. EFE jgh/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG