Farc planejavam ataque contra Uribe, diz central de inteligência colombiana

Bogotá, 10 jun (EFE) - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) planejavam um atentado contra o presidente colombiano, Álvaro Uribe, e o governador do departamento sudoeste de Tolima, Óscar Barreto, revelou hoje a central de inteligência do Estado em Bogotá.

EFE |

O Departamento Administrativo de Segurança (DAS) informou que o ataque seria cometido em uma segunda visita de Uribe a Planadas, localidade de Tolima na qual o presidente esteve recentemente em um conselho de segurança.

Um carregamento de 120 quilos de explosivo de "grande poder destrutivo" seria usado para o atentado, precisou o DAS, que indicou que o artefato foi encontrado no domingo em um táxi.

O veículo foi detido quando se deslocava pela estrada que liga Ibagué, capital de Tolima, a Alvarado, localidade da mesma região, acrescentou a central de inteligência.

A fonte acrescentou que na operação foi detido Wilfredy Álvarez González, motorista do táxi, que, na segunda-feira, em depoimento judicial em Bogotá, deu detalhes que levaram o DAS a confirmar o plano contra Uribe.

Álvarez foi processado por "terrorismo, fabricação, tráfico e porte de armas de fogo ou munição", indicou o DAS, que não informou de sua relação com os insurgentes.

Na operação foi apreendido "um documento para fabricar explosivos e cometer atentados", acrescentou o DAS, que divulgou a mensagem, dirigida a um suposto rebelde de nome ou apelido "John", e assinada só com a inicial "C".

Na nota, o autor explica o plano como uma resposta pelas ações militares que se mantêm no sul de Tolima nas quais se presume que estaria o novo chefe máximo das Farc, Guillermo León Sáenz, o "Alfonso Cano".

Ele substituiu Pedro Antonio Marín ("Manuel Marulanda Vélez" ou "Tirofijo"), que morreu em 26 de março de um ataque cardíaco, informou o "Secretariado" (comando central) das Farc em comunicado divulgado no final de maio.

Além disso, o responsável da nota diz aos autores do atentado que devem ter "cuidado com a manipulação" das cargas explosivas.

"Como são quatro caixas metais (sic) a cada uma 30 quilos sem estilhaços porque as caixas são de lâmina", diz o documento, e acrescenta que, "com o aditivo adicionado ficam boas de pressão".

"Boa sorte camaradas", deseja o mesmo suposto rebelde aos destinatários da mensagem, a quem pede que o façam "sem compaixão".

O DAS atribuiu o plano à frente 21 e à Companhia Cajamarca das Farc, e disse que a responsabilidade desta guerrilha se tornou evidente "com informação de inteligência, analisada pelo DAS, e compartilhada com a inteligência da Polícia e o Exército".

Uribe pretendia voltar a Planadas, distante menos de 300 quilômetros de Bogotá, no transcurso de um mês, para fazer um acompanhamento ao conselho de segurança que tinha liderado no local.

EFE jgh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG