Farc na Venezuela prejudicariam mediação do Brasil, revela site

Segundo texto vazado pelo WikiLeaks, ministro da Defesa disse que reconhecimento da presença de guerrilha na Venezuela seria ruim

iG São Paulo |

Documento enviado pela embaixada brasileira para Washington em 11 de novembro de 2009 mostra que o ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, acredita que o reconhecimento da presença das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) na Venezuela poderia prejudicar mediação brasileira.

"Perguntado sobre a presença das Farc na Venezuela, Jobim disse o reconhecimento de sua presença poderia 'arruinar a habilidade do Brasil para mediar'", mostra documento vazado pelo WikiLeaks nesta terça-feira.

Segundo o texto também, Jobim teria oferecido cooperação entre Colômbia e Equador ao longo da fronteira, além de um monitoramento conjunto entre Colômbia e Brasil para combater a entrada de drogas no país.

Bases

No documento, a embaixada americana diz que Jobim estava ciente dos reais propósitos do acordo sobre bases militares americanas na Colômbia, mas um memorando da Força Aérea publicado na internet que cita "países não-amigáveis" na área teria complicado a aceitação do acordo no continente, segundo o ministro.

De acordo com o texto também, Jobim também teria se mostrado crítico em relação a um terceiro mandato de Uribe, "um movimento que ele pensou que abriria um mau precedente para os 'bolivarianistas'.

    Leia tudo sobre: documentos diplomáticosWikileaksEUABrasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG