Farc matam quatro reféns militares, diz governo colombiano

Segundo ministro da defesa, uma das vítimas estava em poder da guerrilha há 14 anos

iG São Paulo |

Rebeldes da guerrilha Farc mataram pelo menos quatro militares colombianos que eram reféns há anos, disse o ministro da defesa da Colômbia, Juan Carlos Pinzón, neste sábado.

Leia também: Novo líder das Farc está há 30 anos na guerrilha colombiana

Esse é o maior incidente de violência cometido pela guerrilha financiada pelo tráfico de drogas desde que as forças colombianas mataram o líder das Farc, Alfonso Cano , em uma operação neste mês.

Entre os militares mortos estaria o sargento do Exército Libio Martínez, considerado o refém há mais tempo em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que esta sequestrado há quase 14 anos, segundo fontes militares. Outra vítima, seria o tenente-coronel da Polícia Édgar Yesid Duarte Valero, capturado há pelo menos 12 anos.

O assassinato dos reféns aconteceu em uma região de selva no Departamento de Caquetá, no sul do país, disseram as fontes. No lugar onde os corpos foram achados, também havia uma espécie de prisão, onde os integrantes das Farc costumam manter seus reféns.

Um integrante das Farc foi detido na operação. A organização colombiana tem em seu poder cerca de vinte policiais e soldados, que são usados como moeda de troca pela libertação de guerrilheiros presos. "Estes fatos não devem ficar impunes", concluiu o ministro Pinzón.

* Com Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: FarcColômbia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG