Farc entregam oito reféns à Cruz Vermelha

O grupo rebelde Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertou na noite desta quarta-feira oito reféns seqüestrados havia uma semana e os entregou à Cruz Vermelha Internacional. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) anunciou, por meio de um comunicado, ter recebido das Farc os oito reféns, que haviam sido seqüestrados no dia 17, quando faziam turismo.

BBC Brasil |

"A operação foi possível graças à interlocução confidencial e discreta das partes envolvidas e sob a ação humanitária, neutra e independente do CICV", disse o comunicado.

No dia do seqüestro, os rebeldes interceptaram um barco de passageiros que navegava pelo rio Atrato, na província colombiana de Choco, e forçaram a embarcação a atracar na margem do rio.

Dez passageiros foram levados pelos rebeldes. Duas pessoas deste grupo permanecem em poder da guerrilha.

Segundo analistas, a intenção das Farc pode ter sido negociar uma fiança para libertar esses dois reféns. A prática do seqüestro é uma das principais fontes de renda das Farc.

Ainda no comunicado, a Cruz Vermelha disse estar disposta a "apoiar a busca de mecanismos para obter a libertação de outros reféns, assim como a dos demais detidos em poder dos grupos armados".

"Uso indevido"
A libertação desse grupo de reféns ocorre uma semana depois de o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, ter admitido o uso indevido do símbolo da Cruz Vermelha durante a operação de resgate da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e de outros 14 reféns, no dia 3.

O governo colombiano não tinha autorização da Cruz Vermelha para usar o emblema.

Na ocasião, analistas consideraram que o episódio poderia atrapalhar novas libertações de reféns, já que as Farc poderiam desconfiar da neutralidade da Cruz Vermelha.

Nesta quarta-feira, em Washington, durante um encontro com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, o ministro de Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, admitiu que o logo do canal de TV Telesul também foi utilizado, sem autorização, na operação de resgate dos 15 reféns.

O governo colombiano disse ter armado uma encenação para enganar os rebeldes das Farc, fazendo-os acreditar que os 15 reféns seriam entregues a uma missão humanitária internacional.

A intenção era copiar partes de uma missão similar realizada no início deste ano com a mediação do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para a libertação de seis reféns que as Farc entregaram unilateralmente.

A Telesul, canal multiestatal criado pelo governo Chávez, foi o único meio de comunicação que acompanhou o resgate desses reféns no ínico do ano.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG