Farc dizem que não vão abandonar as armas

Bogotá- Dois líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) afirmaram hoje em uma carta que a guerrilha não abandonará as armas, apesar dos pedidos da comunidade internacional.

EFE |

"Não seremos nós os responsáveis por abandonar as armas de (Manuel) Marulanda (conhecido como "Tirofijo", líder e fundador das Farc, que morreu em março), as armas do povo, que lutam pela emancipação", disseram os guerrilheiros Rodrigo Granda, conhecido como "o chanceler", e Jesús Santrich.

A carta de Granda e Santrich, dirigida a seus "irmãos de luta", foi reproduzida hoje pela "Agência Bolivariana de Imprensa" (ABP), da Venezuela.

"As Farc, que lutam em meio às piores atrocidades cometidas pelas oligarquias contra o povo, jamais vão condenar ou desistir da insurreição armada", destacaram.

A carta, que não foi datada, foi divulgada um dia depois de milhões de pessoas marcharem na Colômbia e em outras partes do mundo para pedir que a guerrilha liberte os seqüestrados e ponha fim à violência.

No entanto, Granda e Santrich afirmaram que estão dispostos a "dar" suas vidas para "não desiludir os que acreditam na luta do povo, e que respaldam a necessidade da luta armada nas circunstâncias que cercam os pobres da Colômbia".

"No melhor sentido bolivariano, reiteramos que, quando a opressão não deixa mais alternativa, a insurreição, a guerra de libertação, é um legítimo recurso dos povos para conseguir a liberdade", enfatizaram os líderes rebeldes.

Leia mais sobre: Farc

    Leia tudo sobre: farc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG