Farc criticam referendo sobre 3º mandato de Uribe

Bogotá, 22 mai (EFE).- As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) afirmaram hoje que a possível reeleição do presidente colombiano, Álvaro Uribe, é um asqueroso monumento ao dolo e à fraude.

EFE |

A guerrilha também pediu a revogação do mandato do governante por ter parte da bancada no Congresso vinculada aos paramilitares.

Em comunicado comemorativo dos 45 anos de criação do grupo, em 27 de maio, as Farc destacaram que a coleta de mais de quatro milhões de assinaturas para convocar um referendo que permita um terceiro mandato seguido de Uribe aconteceu com dinheiro obtido por fraudes e roubos.

"A reeleição de Uribe é um monumento asqueroso ao dolo e à fraude (...) nas quatro milhões de assinaturas recolhidas pelos 'uribistas' a favor do referendo com apoio de dinheiro da DMG, estão impressas as assinaturas de 1,5 milhão de mortos. Isso é fraude e roubo", acusaram as Farc.

A DMG é um esquema de pirâmide pertencente a David Múrcia García, que está detido por fraude contra mais de três milhões de colombianos e é acusado pelos Estados Unidos de lavagem de dinheiro.

O especulador alega que o dinheiro foi usado para financiar a campanha de coleta de assinaturas para o referendo.

O Secretariado das Farc acrescentou que é preciso permanecer alerta para impedir "a manobra 'uribista' de trocar o atual Censor Nacional por um de seus servos".

"Deve ser revogado o mandato de um presidente que impôs o desonroso recorde de ter mais de 90% de sua bancada parlamentar vinculada ao processo da narco-parapolítica; que mantém como ministros de Estado delinquentes de suborno; que utiliza o poder para enriquecer seus filhos", acrescentaram. EFE fer/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG