Famoso quadro de Goya é falso, dizem especialistas

Restauradores do Museu do Prado, em Madri, afirmaram nesta quinta-feira que o famoso quadro O Colosso, de autoria originalmente atribuída ao pintor Francisco Goya, não é uma obra do artista espanhol. Durante quase 80 anos, o quadro esteve exposto em lugar de destaque no museu e era considerado uma das jóias da coroa espanhola.

BBC Brasil |

Reprodução
No entanto, um evento realizado no início desse ano reuniu vários especialistas e restauradores para analisar o quadro, já que apresentava traços estilísticos e inscrições pouco comuns às obras do pintor.

A confusão ocorreu pela falta de assinatura em diversos quadros do pintor, que viveu entre 1746 e 1828.

Em uma entrevista coletiva em Madri, os chefes de conservação do Museu confirmaram o engano com relação à autoria da obra de arte. Segundo eles, a autoria ainda é desconhecida, mas provavelmente seria do espanhol Asensio Juliá, único discípulo do mestre barroco.

"Em minha opinião é um quadro assinado e feito por um artista diferente de Goya. Notamos que há outra mão ali e é distinta", afirmou a Diretora de Conservação de Pintura do século XVIII do Museu do Prado e especialista em Goya, Manuela Mena.

Colosso

As primeiras referências bibliográficas sobre "O Colosso" apareceram no inventário do artista feito pelo filho dele, Javier Goya, e que depois passaram ao colecionador espanhol Pedro Durán.

"O Colosso" representa um gigante enfurecido que ameaça uma cidade e foi considerado uma das obras mais representativas da produção de Goya sobre a guerra da independência de Madri de 1808, quando a cidade se rebelou contra a invasão napoleônica. A celebração do bicentenário desta independência acabou levantando as suspeitas sobre a autoria do quadro.

Em janeiro, o Museu do Prado convocou especialistas internacionais em Goya para um inventário e uma mesa de debate que antecederam a exposição Goya em tempos de guerra, inaugurada em abril e que permanece aberta ao público.

A diretora de conservação Manuela Mena, comentou que "as dúvidas eram históricas e o mais prudente seria eliminar o quadro da mostra sobre a guerra e investigar a autoria. Isso já havia acontecido em 1991 antes da exposição Goya, o capricho e a invenção, quando diante da mesma dúvida, afastamos a obra".

Nas primeiras investigações o historiador britânico Nigel Glendinning encontrou a inscrição "XVIII" na esquina inferior esquerda do quadro, que coincide com a referência de "um gigante" que aparece no inventário de Goya de 1812.

Já o Chefe de Conservação do museu, José Luis Díez, afirmou que a inscrição é outra, que não estaria relacionada no inventário. Em vez dos algarismos romanos o registro seria das iniciais J.A.

O quadro foi pintado entre 1808 e 1812 e a inscrição final está quase apagada. "Mas o que nos chamou mais atenção foi a diferença de traços estilísticos", comentou Mena.

O diretor geral do Museu do Prado, Miguel Zugaza disse que "O Colosso" permanecerá na sala original onde está desde 1931 dentro do pavilhão dedicado a Goya, até que a autoria correta seja esclarecida.

Asensio Juliá, nascido em 1760, foi um dos poucos colaboradores de Goya. Os principais registros da atuação dele com o mestre do classicismo estão nos afrescos da igreja de Santo Antonio da Florida, em Madri.

Leia mais sobre: Goya

    Leia tudo sobre: goya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG