XIANGNING, China (Reuters) - Familiares e sobreviventes de uma das piores enchentes em minas na China nos últimos anos dizem que as autoridades estão escondendo o número real de pessoas presas e falhando nos trabalhos de resgate. O governo local não divulgou os nomes dos 153 mineiros que diz estarem inacessíveis desde que a água invadiu o poço onde trabalhavam na tarde de domingo, o que levou o vice-premiê Zhang Dejiang a exigir uma lista de potenciais vítimas, informou a mídia local.

"153 é o número real?", perguntou Zhang a funcionários da mina, segundo a imprensa. O vice-premiê foi enviado para direcionar os trabalhos de resgate pouco após o acidente.

"Não acho que as suspeitas da opinião pública deixem de ser razoáveis", acrescentou, segundo o Beijing News.

Na própria mina, parentes que aguardavam notícias de seus pais, filhos e irmãos, e sobreviventes que permaneciam no local para ajudar, disseram à Reuters que a cifra era muito baixa.

"Mandamos 10 vagões para baixo antes da enchente, e cada um normalmente carrega 44 mineiros e um motorista", disse o condutor de um vagão que trabalhava no dia do acidente.

"Só um carro conseguiu voltar, além de algumas dúzias de mineiros, que escaparam a pé", completou, sugerindo que quase 450 pessoas pudessem estar na mina durante a enchente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.