Família reconhece corpo de brasileiro morto pela polícia na Austrália

Itamaraty diz que acompanha o caso de perto para garantir que circunstâncias da morte de Roberto Laudisio sejam esclarecidas

iG São Paulo |

Reprodução/ Facebook
Amigos postaram no Facebook fotos com Roberto Laudisio (D), morto por policiais em Sydney, Austrália
Familiares reconheceram o corpo do brasileiro Roberto Laudisio Curti , 21 anos, morto pela polícia em Sydney, na Austrália, informou o Itamaraty nesta terça-feira. O jovem morreu no domingo após ter sido atingido por uma arma de taser , que dispara cargas elétricas.

Leia também: Ouvidor acompanhará investigação sobre morte de brasileiro

De acordo com o Itamaraty, o consulado brasileiro no país recebeu em Sydney a família de Laudisio, que viajou do Brasil para a Austrália para reconhecer o corpo. A confimação de que a vítima era o brasileiro foi recebida pelo Ministério das Relações Exteriores por volta das 7h (horário de Brasília).

O governo brasileiro afirmou acompanhar o caso "de perto" e estar em contato com as autoridades australianas para garantir que "as circunstâncias da morte do jovem sejam apuradas com rigor".

"O Consulado-Geral do Brasil em Sydney e a Embaixada do Brasil em Camberra foram instruídos a prestar toda a solidariedade e apoio à família da vítima, bem como a solicitar os devidos esclarecimentos às autoridades australianas a respeito do ocorrido', afirmou o Ministério das Relações Exteriores, em nota.

Laudisio estudava inglês na Austrália e planejava fazer faculdade no país. De acordo com o jornal Sydney Morning Herald, a polícia tentou prender o brasileiro por acreditar que ele era um suspeito de ter roubado um pacote de biscoitos de uma loja de conveniência cerca de meia hora antes. O jovem teria resistido à prisão, corrido e sido perseguido por policiais. Testemunhas indicaram que a vítima não tinha nada nas mãos e estava desarmada.

Bruce Barbour, um ouvidor do governo de Nova Gales do Sul, Estado australiano onde fica Sydney, vai acompanhar a investigação . "Todas as questões relacionadas ao envolvimento da polícia neste incidente estarão sujeitas à análise pelo meu gabinete", disse Barbour.

O secretário Estadual de Segurança Pública de Nova Gales do Sul, Mike Gallacher, afirmou que o ouvidor vai esclarecer as dúvidas sobre o uso de tasers, que vem sendo motivo de discussões desde a morte do brasileiro.

EFE
Polícia australiana faz perícia no local da morte do brasileiro
"Para que a polícia na linha de frente tenha confiança no uso do taser, a comunidade deve ter certeza de que tal uso é feito de modo responsável, e um acompanhamento independente desta investigação vai fazer exatamente isto", afirmou Gallacher em uma declaração conjunta com o comissário da Polícia Andrew Scipione.

"O Departamento de Homicídios está investigando as circunstâncias da morte do homem, incluindo o uso de opções táticas da polícia, e toda a informação será fornecida para os legistas de Nova Gales do Sul", acrescentou Scipione.

O jornal australiano Sydney Morning Herald afirma que a polícia de Nova Gales do Sul pode ter desrespeitado as regras de uso de armas de taser no caso da morte do brasileiro.

Testemunha

Imagens de câmeras de segurança foram divulgadas na segunda-feira mostrando policiais agarrando um homem na rua. Ele consegue se libertar dos policiais e fugir, mas então é perseguido e um dos policiais parece apontar uma arma de taser contra ele.

Segundo o Sydney Morning Herald, o brasileiro teria gritado por socorro enquanto um policial disparou a arma de taser contra suas costas. Quando ele caiu no chão, os policiais pularam em cima do jovem, que já tremia devido à descarga elétrica da arma.

Vídeo divulgado por TV Ten News supostamente mostra agressão a brasileiro:

Uma testemunha afirmou que foram feitos mais três disparos com a arma de taser enquanto o homem gritava e tentava se soltar. "Foi neste ponto que os gritos pararam. Pensei que ele tinha desmaiado", disse a testemunha segundo o Herald de segunda-feira. "Não pensei que ele tinha morrido", acrescentou.

A testemunha, que falou com a polícia mas pediu para não ser identificada, afirmou que estava saindo de um táxi quando viu os policiais perseguirem o jovem pela rua, por volta das 5h30 da manhã de domingo. "O homem estava sem camisa e estava correndo o mais rápido que podia", disse. "As calças dele estavam caindo. Pensei que ele estava apenas bêbado e a polícia estava tentando pegá-lo."

A testemunha afirmou que a polícia dominou o homem contra uma parede em frente a um café e houve luta corporal. "Ele já estava no chão e eles estavam segurando-o, ele estava gritando, havia muitos sons do taser. Em um momento ouvi ele gritar 'socorro' e continuou gritando e tentava reagir."

A testemunha disse ainda ter ouvido três ou quatro ruídos vindos da arma de taser durante a luta até os gritos pararem.

Com BBC

    Leia tudo sobre: brasileiroaustráliasydney

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG