Família do governador colombiano assassinado denuncia segurança falha

Bogotá, 23 dez (EFE).- Os familiares do governador colombiano Luis Francisco Cuéllar, sequestrado e assassinado por rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), disseram hoje que o político não tinha proteção policial suficiente, apesar de ter sido vítima de vários sequestros.

EFE |

Luis Fernando Cuéllar, filho de Luis Francisco, disse à imprensa que apenas três policiais faziam a segurança do pai, embora este tenha sido sequestrado outras quatro vezes.

Ele revelou ainda que, horas antes do rapto, um dos seguranças do governador disse para a família ter "muito cuidado", já que circulavam "rumores" de um possível atentado contra o político.

A mulher de Luis Francisco, Imelda Galindo, também disse, logo após o último sequestro, que muitas vezes só havia um policial fazendo a segurança da casa deles, como na noite em que o governador foi feito refém.

O político foi raptado na segunda-feira, por vários homens que invadiram sua casa com roupas militares.

Na ação, morreu o único policial que fazia a segurança do governador. Outros dois, que se aproximaram após a explosão de uma granada jogada pelos sequestradores, ficaram feridos.

O corpo de Luis Francisco foi achado ontem, dia em que completaria 69 anos, em uma zona rural de Florência, capital de Caquetá.

Embora nenhum grupo tenha assumido o sequestro e posterior assassinato do governador, o presidente Álvaro Uribe atribui os crimes às Farc. EFE mb/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG