Família de sargento morto no Haiti se diz chocada

Um choque. Assim a família do 3º sargento Rodrigo de Souza Lima, de 23 anos, recebeu a notícia do terremoto do Haiti. Nascido e criado em Piraí, no sul do estado do Rio, Rodrigo foi uma das vítimas brasileiras da tragédia em Porto Príncipe. A mãe, Maria Aparecida Queiroz de Souza Lima, diz sentir ¿uma saudade que não vai passar¿. Afirma que gostaria de ter o filho de volta ¿ ¿bem vivo¿.

Rodrigo de Almeida, iG Rio de Janeiro |

Fábio Coelho
Rodrigo com os pais, pouco antes de embarcar para o Haiti

Rodrigo com os pais, pouco antes de embarcar para o Haiti

Aparecida e o pai de Rodrigo, Maury da Costa Lima, estão em estado de choque, segundo a cunhada do militar, Tatiane Ferreira da Silva, de 26 anos. Estamos sem acreditar que isso tenha ocorrido com ele, disse Tatiane, que descreve o cunhado como alguém muito estudioso, esforçado, sempre apaixonado pela farda que usava, e que via no Haiti uma esperança de ajudar alguém mais pobre do que ele.

A notícia foi recebida às 2 da manhã desta quinta-feira. Representantes do Exército foram pessoalmente à casa da família de Rodrigo, em Piraí. Segundo informação do Exército, Rodrigo estava aguardando a volta da diretora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, que dava uma palestra em Porto Príncipe.

O militar falou com os pais no dia anterior ao terremoto. Disse à família que queria voltar logo para casa, tinha saudade dos pais, dos irmãos e dos sobrinhos. Ele já estava preparado para vir embora, afirmou a cunhada. Rodrigo chegaria ao Brasil no próximo sábado, dia 16, e dividiu com os pais a irritação pelo risco de passar o aniversário longe da família ¿ ele completaria 24 anos no dia 20. O Exército prevê um prazo de cerca de 10 dias de observação médica depois do retorno do Haiti.

A família agora está apreensiva com o traslado do corpo do militar. Os pais ainda não obtiveram detalhes com o Exército brasileiro sobre o retorno.

Abalo em Piraí

Fábio Coelho
Rodrigo nasceu em Piraí (RJ)
Rodrigo nasceu em Piraí (RJ)
A morte de Rodrigo de Souza Lima abalou a cidade de Piraí. É um fato lamentável, declarou o prefeito Arthur Henrique Gonçalves Pereira, o Tutuca. Piraí é uma cidade pequena, onde todos se conhecem e sentimos a morte deles como se tivéssemos perdido um parente. É muito triste. Rodrigo era de uma família tradicional da cidade, um jovem com uma carreira promissora pela frente e que resolveu ir para o Haiti também por seu senso de solidariedade. Foi um acontecimento que abalou muito nossa cidade.

No Exército desde 2005, o militar foi ao Haiti na Missão da ONU para estabilização do País no dia 4 de julho de 2009. Na missão, Rodrigo liderava um grupo de combate destinado a garantir a segurança pública em Porto Príncipe. Participava de patrulhamentos e guarda de locais como hospitais, escolas e favelas.

Veja abaixo os nomes dos 14 militares mortos:

Leia também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haitipiraíterremoto no haiti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG