Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Falta de potência na decolagem pode ser a causa do acidente de Madri, diz comissão

As circunstâncias do acidente com o MD-82 da Spanair, que deixou 154 mortos em 20 de agosto em Madri, estavam sendo elucidadas nesta terça-feira, com o responsável pela investigação revelando que a parte traseira do avião foi a primeira a tocar o solo e várias testemunhas mencionando uma velocidade muito abaixo do normal na hora da decolagem.

AFP |

 

Durante uma entrevista coletiva, o secretário-geral da Comissão de investigação dos acidentes da aviação civil, Francisco Soto, afirmou que os rastros examinados pelos peritos mostraram que "o avião tocou o chão primeiro com a parte traseira, provocando a sua quebra".


Avião da Spanair ficou totalmente destruído / EFE

O avião percorreu em seguida "uma trajetória de cerca de 1.200 metros", batendo três vezes no chão em função dos declives do terreno, e pegou fogo, explicou Soto, destacando que nenhum sinal de freagem foi detectado na pista de decolagem.

Além disso, segundo várias testemunhas, teria faltado potência no avião no momento da decolagem. Soto não quis adiantar hipóteses sobre o assunto, insistindo na necessidade de analisar todos os dados antes de se pronunciar.

As caixas-pretas do aparelho, parcialmente danificadas, foram enviadas ao Reino Unido para serem analisadas por um laboratório especializado em Farnborough.

"Senti que o avião não tinha potência quando começou a decolar", comentou a única sobrevivente da tripulação, a aeromoça Antonia Martinez, segundo o jornal El Pais.

Beatriz Reyes Ojeda, uma das 18 sobreviventes da catástrofe, deu declarações semelhantes nesta terça-feira ao sair do hospital. "Eu já viajei muito de avião, e me dei conta de que o aparelho não estava indo numa velocidade normal na hora da decolagem", relatou.

Ela afirmou só ter notado que algo estava errado quando o avião já tinha decolado. "O aparelho estava inclinado de um lado", contou.

Questionado sobre estas hipóteses, Soto se limitou a declarar que os motores foram recuperados e guardados em um local seguro para serem examinados.

De acordo com o jornal El Pais, o MD-82 teve grandes dificuldades para decolar e ultrapassou em 500 metros o ponto de decolagem habitual na pista do aeroporto internacional de Barajas, fazendo em seguida uma curva para a direita ao cair.

O mesmo jornal, assim como o El Mundo, afirmaram que um dos dois motores do MD-82 foi encontrado em posição 'reverse', que corresponde à marcha a ré do reator.

Este mecanismo é normalmente acionado no momento do pouso, quando o avião já tocou terra, para acelerar o processo de freagem.

A comissão de investigação pretende entregar daqui a um mês um relatório preliminar sobre todos os dados relacionados ao acidente, a pior catástrofe aérea dos 25 últimos anos na Espanha.

Leia mais sobre: Espanha  - acidente de avião



Leia tudo sobre: acidente de aviãoespanha

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG