NYT - Mundo - iG" /

Falta de mão-de-obra ameaça crescimento do Brasil, diz NYT

Uma reportagem publicada nesta quarta-feira pelo jornal americano The New York Times afirma que a falta de mão-de-obra qualificada ameaça as metas de crescimento econômico do Brasil. Sob o título Procuram-se trabalhadores qualificados para uma economia em crescimento no Brasil, o texto diz ainda que isto poderia afetar a ascensão política e econômica do país no cenário internacional.

BBC Brasil |

"Após anos de expansão e contração, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva está projetando um período de crescimento sustentado, com o PIB (Produto Interno Bruto) crescendo 5% ao ano de agora até 2010, e cerca de 3% a 4% ao ano na década seguinte", lembra o jornal.

"Mas muitas empresas e economistas, incluindo alguns do governo, dizem que a escassez de mão-de-obra altamente qualificada, particularmente engenheiros e técnicos profissionais, ameaçará estas metas, assim como a ascensão política e econômica do Brasil."
A reportagem afirma que a falta de mão-de-obra se espalha "por diversos setores da indústria".

"A falta de engenheiros civis e de construção ameaça projetos de infra-estrutura; áreas como bancos, fabricação de aviões, petroquímica e metalurgia estão todas competindo pelos melhores graduados; na indústria de petróleo e gás, que experimenta um boom, as empresas estão recorrendo a mão-de-obra estrangeira porque não há brasileiros qualificados suficientes para o trabalho."
O artigo cita um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), segundo o qual mais da metade de 1.715 empresas pesquisadas em setembro não conseguia contratar os trabalhadores qualificados de que necessitava.

As soluções de curto prazo têm sido dadas pelas próprias empresas - gigantes como Vale, Petrobras, Ultrapar e Embraer mantêm programas internos de treinamento, diz o NYT. Mas no longo prazo "o prognóstico é mais problemático".

"O sistema educacional do Brasil está em desarranjo. Nos testes de desempenho acadêmico realizados a cada três anos pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com jovens de 15 anos de 57 países, os estudantes brasileiros ficaram na quarta pior colocação em ciências e na terceira pior em matemática", afirma a reportagem.

Enquanto as grandes corporações têm recursos para contratar ou treinar os melhores profissionais, empresas médias "não têm a mesma sorte".

    Leia tudo sobre: brasileconomia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG